quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Retrospectiva 2014 - As 10 postagens mais lidas em 2014


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Homeschooling: vote sim!




Há uma pesquisa no site do Senado que indaga:

"Você concorda com o projeto que prevê a possibilidade de a educação básica ser feita em casa?"

Se você está alarmado com a má qualidade da educação no Brasil e deseja que os pais brasileiros tenham um direito já garantido em vários outros países, vote SIM!

Na verdade, a proibição ao ensino em casa é ilegal, de acordo com Henrique Cunha de Lima, procurador do Ministério Público de Contas do Estado do Rio de Janeiro: o Brasil assinou tratados internacionais que são superiores ao ECA e à LDB (veja aqui). Mas precisamos de mais facilidade jurídica, pois muitos juízes não estão dispostos a abrir mão da ideia de que o Estado é o mais importante educador das crianças brasileiras - o que é um absurdo e deve ser tratado como tal. O que começou como direito não pode se transformar em obrigatoriedade!

Liberdade para homeschooling já!

Fonte: http://normabraga.blogspot.com.br/2014/12/homeschooling-vote-sim.html

Uma coisa peço ao Senhor - Francis Chan





segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Como entender nestes textos esta aparente contradição?...A Bíblia Responde #48








Paz, tenho 15 anos e eu tenho uma pergunta um pouco confuso: A Bíblia diz em Oseias 1:10 e em Romanos 9:26, "Um dia, o povo de Israel será como os grãos de areia do mar; será tão numeroso, que não poderá ser contado, nem medido. E, no mesmo lugar onde Deus disse: "Vocês não são Meu povo", ali Ele dirá: "Vocês São os filhos do Deus vivo". Na Parte B desse versículo Fala que (E, no mesmo lugar onde Deus disse: "Vocês não são Meu povo", ali Ele dirá: "Vocês São os filhos do Deus vivo".) A Bíblia diz em Números 23:19: "Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?" Isso não esta em contradição : Me ajudem por favor?!  Deus abençoe


Olá! 

Obrigado pelo sua interessante pergunta!

É uma alegria ver como você está tendo interesse em aprender mais da Palavra de Deus, continue buscando aprender mais, porque a Bíblia é a nossa regra de vida e prática.

Este é um tema que exige um pouco de explicação, então tentarei ser o mais breve mas cuidando para não deixar de fora detalhes importantes, ok?

Gostaria de lhe dizer que é extremamente vital e importante, nunca perder de vista que os textos devem ser entendidos a luz de seu contexto imediato, o que o parágrafo está ensinando, a luz do seu capítulo, e a luz do livro em questão,  desta forma seguimos entendendo que a Bíblia explica a Bíblia, ou seja, as passagens mais obscuras devem ser interpretadas a luz das mais claras, deixando assim a primazia da interpretação para a própria Bíblia e não para subjetivismos, em outras palavras o comum erro de querer interpretar a Bíblia de acordo com a própria opinião. 

Tendo dito isso, devemos entender que a Bíblia é um livro que traz um tema central, e que assim como em um livro, ela precisa ser entendida a luz de toda Bíblia, com a diferença que ela não é somente um livro qualquer, mas Ela é a Palavra de Deus (2 Tm 3.16).  Sendo assim aprendemos que a Bíblia traz uma mensagem chamada de "boas novas", o que nós chamamos de Evangelho, que é a notícia que o homem foi criado, pecou, caiu de seu estado de relacionamento com Deus,  mas que agora o próprio Deus haveria de providenciar um meio para resgatar o povo escolhido por Ele, antes da fundação do mundo (Ef 1.4).

Poderíamos dizer que a Bíblia nos demonstra o desenrolar do Plano de Deus, para separar um povo para Sua glória, e este plano vai se cumprir, porque Deus não é como o homem que não pode manter seu planos, Ele é onipotente, Deus não é como o homem que age com desvios de conduta, como a mentira para que seus planos sejam levados a cabo, Deus é totalmente Soberano sobre as nações, governos (Sl 22:28), em outras palavras, Deus não precisa fazer como  o homem, enganar, trapacear ou falhar, porque Ele é infinitamente santo, justo, diferentemente de como o homem é por causa do pecado.

 Entender o progresso da revelação de Deus, é bastante esclarecedor, o que quero dizer é que Oséias foi chamado por Deus, para trazer uma mensagem de condenação, o Livro de Oseias retrata a ideia da justiça de Deus em meio a decadência moral e espiritual da nação de Israel e Judá, os reinos haviam sido divididos em Norte (Israel) e Sul (Judá), mas no verso 10, o profeta traz a confirmação da promessa que havia sido feita a Abraão, muito tempo antes (Gn 22.17), esta é a ideia da revelação progressiva de Deus que me referi, Deus prometeu em Abraão uma descendência, e agora em Oseias, Deus esta relatando que mesmo que Israel estivesse quebrando a aliança, ou se divorciando, usando a linguagem de casamento que a analogia do casamento de Oseias faz a Israel, Deus em seu plano, sempre manteria um remanescente, não pela força do homem, corrupto que se não tiver a ajuda de Deus, se desvia, mas pela livre, soberana e poderosa graça de Deus, que leva seu plano adiante (v-7), é importante entender que nem sempre a predição de condenação e juízo, se referia somente aquele povo, aquele momento, e esta promessa de um remanescente e de juízo se mantem ao longo da historia, sugiro este artigo para entender como foi o desenrolar do plano de Deus e da revelação no Antigo Testamento:


Indo em frente podemos entender que o Novo Testamento traz mais entendimento para nós, do que o Antigo testamento, e a isso chamamos de progressão da revelação de Deus, Paulo usa o mesmo texto de Oséias que você citou (Os 1.10)  em Rom 9: 25,26 todavia, conforme eu lhe expliquei antes é importante entendermos o contexto, muitas vezes os apóstolos usaram passagens do Antigo Testamento, para destacar seu cumprimento ou reforçar seu ensino, Paulo aqui estava explicando sobre a soberania de Deus, deixando claro que não é porque os judeus são descendentes físicos de Abrão que seriam herdeiros da promessa feita a Abraão, no começo do capítulo verso 6 ao 9, continuando explicando que a rejeição de Israel não é incompatível com a promessa de Deus, porque Deus tem seu povo eleito segundo a Sua vontade, e seu plano será consumado, não pela força do homem, mas pela soberania de Deus (Rom 9.11),  Paulo fazendo o uso do texto de Oseias 1.10 traz mais entendimento para nós  do que tinha Oseias, dizendo que os gentios fazem parte dessa promessa, não é exclusiva para os judeus como eles assim achavam, então Paulo amplia o texto de Oseias e usa também o texto de Isaías (Is 10.22-23), deixando claro que Deus tem um remanescente que Ele sempre guardara para sua glória (Rom 9.27,28,29).

  O livro de Romanos trata sobre a questão de Israel nos capítulos 9, 10, 11 mas podemos resumir que o que Paulo quer explicar é que sem Cristo, todos estão debaixo do juízo de Deus, não importa se são judeus por natureza,  e reforça o que os profetas falaram sobre Israel, rejeição... se cumprindo como parte do plano de Deus, não como se alguma coisa pegasse Deus de surpresa e ele se adaptasse aos fatos, como algumas pessoas pensam, como se fosse um "plano b"  é exatamente o contrário, o plano de Deus tem acontecido exatamente como ele planejou e determinou.

O Novo Testamento traz claramente o entendimento de que em Cristo, não judeu nem grego, só existe um povo de Deus (Gl 3.28), Deus elegeu um povo para sua Glória desde a eternidade, suas promessas em Abraão serão cumpridas, mas somente aqueles que estão unidos em Cristo, desfrutam das promessas eternas, quanto ao povo judeu, Deus sempre manteve um remanescente fiel, pela sua graça, não pelos esforços humanos,  é como se Oséias dissesse mandado por Deus: Eu condenarei vocês, por causa de sua imoralidade e idolatria, vocês não são meu povo, mas eu manterei sempre um remanescente fiel, e estes serão chamados meus filhos.  Agora Paulo nos declara mais claramente, que o povo que não era considerado pelos judeus, gentios, também são chamados a serem povo de Deus em Cristo, isso não distingue os dois, como povos distintos, mas os une em Cristo, e estes são os filhos de Deus.

Tentado resumir de forma não exaustiva, seria assim: Deus tem um plano desde a eternidade, que Ele tem dado sequência no tempo e no espaço, Ele prometeu a Abraão, e esta promessa se mantém firme, porque o próprio Deus mantem seu plano, isso inclui o povo, em Cristo é feito uma união de todas as pessoas, não há separação e que Deus sustentará para Sua glória na eternidade ( Rom 8 .28 a 39). Não há contradição, existe o andamento de um plano e seus desdobramentos ao longo da história.

Em Cristo


segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Catecismo Infantil Igreja Batista Luz do Mundo




       "Ensina a criança no caminho que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele."
                                                                           
                                                                                                                       Pv 22:6


Quanto desperdício seria evitado, se a Igreja tivesse o cuidado de instruir desde cedo os pequeninos, sabemos que como crianças, devem ter suas limitações quanto a didática e ensino, mas já na mai tenra idade são capazes de entender a necessidade de um Salvador.

Que a Graça do Deus Soberano, continue iluminando e capacitando os estudos do catecismo infantil liderado pelo irmão Fernando.  Como pai, posso presenciar visivelmente as mudanças no entendimento correto da sã doutrina, através deste catecismo.

Meu desejo sincero é de que os pais alimentem os seus filhos com o verdadeiro alimento espiritual, tão necessário e ao mesmo tempo tão negligenciado pelos próprios pais. Esta é muitas vezes a triste constatação em meio a Igreja Evangélica.

Aprender sobre os atributos do Altíssimo, da perspectiva bíblica correta é vital para o crescimento saudável na fé. Tantos erros de compreensão e misticismo seriam facilmente evitados na vida dos pequeninos se o estudo da Palavra fosse tido como prioridade, começando nos lares pelos próprios pais, como responsáveis do dom gracioso da paternidade e maternidade.

Louvo a Deus quando vejo nos pequeninos o crescimento na graça de Deus, através do ensino das Escrituras.

Louvo a Deus pela disposição e preparação de líderes capazes e dispostos, tementes a Deus e a Sua Palavra.

Louvo a Deus e rogo que Ele capacite cada vez mais essas crianças a serem "luz no mundo",  vivendo suas vidas para refletir a Cristo e glorificar a Deus.


Em Cristo

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Posso viver da maneira que quero, sem me importar com Deus?...A Bíblia Responde#47








Deus aceita eu querer coisas diferentes para minha vida, diferentes do que todos querem e até mesmo ele planejou? Não quero viver eternamente nem ir para o céu, ao fim da vida quero fechar os olhos e não mais abri- los. Sou uma pessoa que gosta de viver sozinho e não gosto de me envolver em nada, nem em questões humanas nem espirituais. Ou seja não quero fazer parte de nada, nem de sociedade, nem de igreja. Não me importo com nada, nem com ninguém. Não que eu seja contra as pessoas ou contra a Deus, simplesmente não me importo com nada, quero apenas ter paz e em determinado tempo deixar de existir. Não quero nem Deus nem o diabo. Nem céu nem inferno. Não quero me envolver, essa guerra não é minha e não gosto dela. Como Deus vê meu posicionamento???? Ele vai me condenar por não querer fazer parte de nada????


Olá!

Apesar da resposta para sua pergunta ser muito simples, eu sinto a necessidade de explicar resumidamente o ensino Bíblico para tantas questões que você colocou.

A Bíblia nos conta a história da humanidade. Ela nos ensina que existe um criador (Deus) que criou tudo, tanto o homem quanto o universo, para Sua glória (Gn 1).  A Bíblia nos conta que os primeiros pais, Adão e Eva, viviam em um estado de harmonia e presença de Deus em uma aliança de obediência.

No entanto, ela nos traz um fato. O homem desobedeceu, e assim com esta desobediência entrou o pecado no mundo, esse pecado afetou todo universo, trazendo desordem e rebeldia perante Deus (Gn 3). Esta é a notícia ruim, o homem se tornou rebelde, para com seu criador, ele se tornou inimigo de Deus.  Todavia, a Bíblia nos conta que existe uma boa notícia (esse é o significado da palavra Evangelho). Deus prometeu que iria novamente proporcionar um meio para que a humanidade tivesse um relacionamento novamente com Ele. Qual a forma que isso poderia acontecer? Como pagar um preço tão elevado a um Deus Santo?

Somente com uma pessoa de igual importância, capaz de viver um vida perfeita e pagar o preço pelos pecados dos homens (Jo 1.1-5). Então Deus em Seu amor, sem merecimento nenhum por parte dos homens, envia Seu Filho Jesus, para sofrer na cruz do Calvário, uma morte de cruz, recebendo o pagamento dos pecados em si mesmo (Is 53.5), para que todo que nele crê não pereça (Jo 3,15).

Essa é a boa notícia, Cristo trouxe o Evangelho da Paz (Ef 6.15). A paz que a Bíblia se refere não diz respeito com uma paz do tipo, "me deixem quieto", ou não "mexo com ninguém". Esta paz significa que aquele que está em Cristo, tem paz com Deus, seu relacionamento foi restaurado por méritos de Cristo. A paz que a Bíblia ensina não é relacionada simplesmente com não querer indisposição com alguém, mas ela traz a ideia de reconciliação, uma reconciliação em amor, sem Cristo permanecemos inimigos de Deus.

Ensinos trazidos pela Bíblia:

*A Bíblia ensina que Deus criou todas as coisas, ele é eterno, sempre existiu e sempre existirá (Sl 145.13).

*A Bíblia nos ensina que o criador tem uma Lei, mesmo quando reconhecemos isso ou não, sendo assim sua Lei é o padrão para vida do homem, não nossas opiniões, Seu julgamento é baseado em seu padrão, não no padrão de nossas mentes (Sl 19.7).

*A Bíblia ensina que Deus sempre foi e é auto-suficiente nele mesmo.  Deus sem o homem continua sendo Deus, o homem sem Deus não é ninguém.  O Deus da Bíblia é muito diferente dos deuses da mitologia grega, onde aqueles eram dependentes das orações dos homens para sobreviver, o Deus da Bíblia é soberano e todo poderoso (Sl 86.10).

*A Bíblia ensina que existe uma realidade futura na vida de todos os homens, quer acreditemos ou não, quer queiramos ou não. As pessoas quando morrem tem dois destinos, céu ou inferno (Mc 16.16) .

*A Bíblia ensina que o homem está em inimizade com Deus, a não ser com a reconciliação, ou paz que Cristo trouxe, não por obras, mas sim pela fé Nele (Jo 14.6).

*A Bíblia ensina que somos pecadores incapazes de pagar a pena imposta para o pecado (Rm 3.23). É impossível para o homem se tornar por si próprio, amigo de Deus, sendo assim, ele precisa de um Salvador  para sua situação diante de Deus e somente Jesus pode ser este intermediador. Porque esta salvação não é adquirida por boas obras, porque ninguém é capaz de agradar  a Deus pelas obras.

A Bíblia ensina que existem somente duas famílias, aqueles que estão unidos a Cristo pela fé e confiança como Seu Salvador, são chamados filhos de Deus e aqueles que são da família de Satanás(1 Jo 3.9).


Gostaria de que você soubesse e avaliasse profundamente o que vou lhe dizer:

Deus não criou o homem porque precisava do homem, o homem não tem nada para oferecer que Deus necessite, entende? Deus controla todas as coisas segundo a sua vontade, a Bíblia nos descreve que Satanás já está derrotado, embora ainda hoje tente causar o máximo de danos que conseguir. Deus já deixou descrito em Sua Palavra, a Bíblia, que chegará o momento em que Ele restaurará todas as coisas, dentro de Sua vontade, eliminando de uma vez por todas o pecado, esmagando Satanás.

A idolatria descrita pela Bíblia, não se limita a imagens feitas de pedra ou metal. Todas as vezes que colocamos algo ou alguém ocupando o lugar de Deus, isso é idolatria. Isso está acontecendo com você, quando você diz que não se importa,  você simplesmente está se colocando como mais importante que Deus, mesmo que sem perceber.

Todos fazem parte de uma família, ou de Deus por causa de Cristo somente, ou do Diabo por causa do pecado. Deus como um justo juiz, santo, retribuirá a cada um segundo isso. Não existe neutralidade entende? Aos olhos de Deus, se você não tem a Seu filho, Jesus, você está condenado.

Pense com seriedade, porque o lugar preparado para todos aqueles que não entregam suas vidas em arrependimento dos seus pecados e confiança a Cristo passarão a eternidade no inferno, que será um lugar terrível, não porque o Diabo estará lá, mas porque lá será o lugar onde toda justiça de Deus será derramada. Aqueles que lá estiverem passarão 50 anos sofrendo e olharão como se fosse terminar, mas então continuarão sofrendo mais 50, 100, 1000 anos, isso é eternidade (Mc 16.16). Não tem final, não deixarão de existir,  é para sempre. Espero que você possa refletir a respeito e que Deus lhe conceda o arrependimento e o desejo pela comunhão com Ele através do único caminho, Jesus Cristo.

Foi para isso que fomos criados, para glória de Deus.

Em Cristo.

Guinho

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Porque parece que quanto mais "sabedoria" o homem alcança mais se afasta de Deus?...A Bíblia Responde#46









 Como sempre digo e repito novamente, este site tem sido de muitas bênçãos para mim e para as pessoas a minha volta, muito obrigado. A pergunta que faço dessa vez é a seguinte: em pesquisas feitas através de livros e internet, venho percebendo um alto declínio de religiosos e percentual da população que professa sua fé em Deus ou alguma força espiritual, decrescentes em países principalmente de berço protestante, de grande influência do protestantismo ou muito desenvolvidos, sobretudo nos países nórdicos e Europa Ocidental: Noruega, Países Baixos, Alemanha, Suécia, Suíça, Islândia, Dinamarca e além desses Austrália e Nova Zelândia, sendo que alguns citados o catolicismo também tem forte participação. Mas a pergunta é: Porque justamente esses países, os mais desenvolvidos em tecnologia, educação e vida de qualidade tem o maior número de ateus, agnósticos e irreligiosos? Não deveria ser o contrário? Pois o conhecimento nos leva a acreditar em Deus.



Obrigado pela ótima pergunta.


Esta é uma pergunta que pode ser longa devido as explicações históricas que vem influenciando a humanidade ao longo dos séculos e ao mesmo tempo, simples, explicada pelas Escrituras. Tentarei resumir os acontecimentos ao longo da história para depois finalizar com o conceito Bíblico.

Ao longo da história vemos que a filosofia e o cristianismo sempre andaram muito próximos, grandes teólogos cristãos conhecidos como Pais, que se referiam as primeiras gerações posteriores aos Apóstolos, Policarpo, Tertuliano, Irineu, e o conhecido Agostinho de Hipona (entre outros), que tinham contato com as filosofias de Platão e Aristóteles, por conta do mundo helenizado e grego, embora isso tenho acontecido antes de sua época,  para posteriormente ser Romano, na época que chamamos de Idade Antiga. Com o passar dos séculos, os pensamentos filosóficos mais racionalistas baseados principalmente em Aristóteles, ganharam força e influenciaram grandes teólogos, como foi o caso de Tomás de Aquino, no período da Idade Média.

Então a ênfase começou já a ser mesmo nos círculos cristãos, no racionalismo, período que conhecemos como período escolástico, neste período era defendida a tese de que apesar de que Deus é o criador, o homem não necessariamente precisava da "iluminação" de Deus, para conhecer as verdades sobre Ele, ou em outras palavras foi uma época da supervalorização da razão.

O que se chamou de Teologia natural, ou revelação geral, que trazia em seu seio, o conceito de que a razão seria capaz de perceber e conhecer a Deus, simplesmente por meio da razão, algo que foi fortemente refutado por Lutero, porque apesar de reconhecer que a criação pode nos trazer rastros de Deus, somente em Cristo que temos acesso ao verdadeiro conhecimento de Deus.

Aliado a esta forte ênfase no racionalismo, pensamentos filosóficos de Descartes,  Kant e Nietzsche passaram a influenciar profundamente o pensamento moderno até mesmo na teologia, com a mudança de que antes, a verdade a ser conhecida não estava no sujeito, passando para que a única verdade a ser conhecida vem do sujeito, para Kant, o homem é o criador originário de todos os conceitos e representações e o único autor de suas ações, daí para o Liberalismo teológico foi um passo muito rápido, a ideia difundida de que os milagres bíblicos, são mitos e fábulas, desta maneira devastando as Igrejas no local onde antes havia sido o berço (Europa), mas também pelas Américas, a ponto dos estudiosos declararem de que a Europa vive um período pós-cristão, esta é a consequência de uma teologia defeituosa influenciada por filosofias puramente antropológicas. 

Este é um breve resumo histórico, para chegarmos aos nossos dias, todavia, o conceito Bíblico explica de maneira absoluta a causa de todas estas coisas, existe uma doutrina chamada de Depravação total, que se refere ao estado do homem, esta doutrina não se refere ao estado do homem em sua intensidade, ou seja, que o homem é tão mal quanto poderia ser, mas se refere a extensão (Ef 2.1). Com a queda, a Bíblia nos ensina que o homem foi afetado em todas as áreas: Mente, corpo, emoções, vontade e alma, isso quer dizer que o homem não deseja a Deus por si mesmo (Jo 5.40), porque suas faculdades estão afetadas pelo pecado, e tão pouco pode conhecer de maneira satisfatória pela razão, como pensavam os escolásticos, porque sua razão também foi afetada pelo pecado. Paulo explica muito claramente, porque mesmo aprendendo e conhecendo coisas fantásticas, conforme você colocou, que o conhecimento deveria nos aproximar de Deus, mas acaba por tornar o homem ainda mais indesculpável por sua conduta diante de Deus:

Romanos 1:19-25

Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou.
Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis;
Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu.
Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos.
E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis
Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si;
Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém

Por isso lugares onde muitas vezes a tecnologia, qualidade de vida deveriam dar glórias a Deus, acabam por se tornarem cada vez mais insensatos, não reconhecendo que tudo que eles podem ter, não provém meramente de suas forças, pelo contrário, "Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam"(Salmo 127). 

O homem não pode salvar a si mesmo, ele é dependente totalmente da obra do Espírito Santo em sua regeneração, o que as Escrituras chamam de novo nascimento (Jo 3.3), então aprendemos que sistemas humanos, que não dependem de Deus, são incapazes de converterem pessoas, porque esta é uma obra atribuída somente a Deus (Salmo 62.1), as Igrejas em boa medida tem abandonado o verdadeiro Evangelho, a proclamação genuína da salvação de Deus, trocando por métodos que se preocupam com várias coisas (riqueza, cura, fama), menos com a Glória de Deus, todavia, nossa confiança e alegria é de que Deus conforta, sustenta e guia seu povo, apesar das dificuldades, e que Seu plano está caminhando para o cumprimento, nada destas coisas está despercebida ou fora do controle do Altíssimo, porque nosso Deus está nos céus e fez tudo que lhe apraz (Salmo 115.3).

Porque dele e por Ele, e para Ele, são todas as coisas; glória, pois, a Ele eternamente. Amém

Em Cristo








domingo, 16 de novembro de 2014

Conferência Teológica IBLM 2104 - Resumo




Ontem (15/11/14) fomos agraciados por Deus, na Igreja Batista Luz do Mundo em Passo Fundo - RS, com um dia de estudos da Palavra de Deus sobre as doutrinas da graça. Um tempo precioso que tivemos junto aos irmãos e dos pastores Antônio Neto e Felipe Prestes, ambos bacharel em Teologia pelo Seminário Batista do Cariri, Pr. Antônio Neto professor permanente do curso on-line da Escola Charles Spurgeon - CE e Pr. Felipe Preste leciona o curso de Grego nesta mesma instituição.

Selecionei algumas frases marcantes e os versículos bíblicos que foram expostos e estudados em cada palestra da conferência.


Palestra: Total Depravação - PR.Antonio Neto

"A compreensão desta doutrina determinará a correta compreensão das demais."
"Negar este primeiro conceito obrigará a pessoa a negar os demais pontos."

O que significa:
1) o pecado afetou toda a pessoa. Rm 3:10-18
- mente corrompida, comunicação corrompida e atitude corrompida.
2) a pessoa está totalmente incapaz de se submeter a Deus. Ef 2:1-3
- Três senhores: o mundo, o diabo e a carne.

"O homem é incapaz de honrar a Deus em seu coração."
"Isso torna o homem desesperadamente necessitado da graça do evangelho e da salvação."


Palestra: Eleição Incondicional - PR. Felipe Prestes

"Devemos começar olhando o homem da maneira correta, como totalmente incapaz, e a doutrina Calvinista faz exatamente isso, ao contrário da doutrina arminiana que eleva demais a posição do homem nessa equação."
"A eleição incondicional é o ato de Deus por meio do qual Ele escolheu, com base na sua própria vontade antes da fundação do mundo."

- O homem não tem capacidade de ter fé. Ef 2:1,3.
- Deus não encontra motivos no próprio homem para escolhê-lo.
Textos que comprovam a eleição incondicional: Rm 9:11-16; Rm 8:29-30; Ef 1:3-5,11; 1Pe 1:1-2, 2:9.

"Se você é um eleito você têm obrigação de ser irrepreensível."
"Eleição com base na fé = glória para o homem."
"Eleição com base na soberana vontade = glória para Deus."
"Nem mesmo num futuro visto por Deus o homem se a chegaria a Deus."
"A eleição incondicional é extremamente humilhante para o homem."


Palestra: Expiação Limitada - PR. Felipe Prestes

"Sem uma boa explicação da expiação é impossível determinarmos se ela é limitada ou ilimitada."
"O mundo caído em Adão é restaurado em Cristo."
"No corpo de Cristo não há distinção de raça, cultura, classe e sexo."
"Desconfie de igrejas que vem para salvar os jovens, os ricos, os pobres ou com grupos específicos. Igreja só faz sentido se for para todos."
"Expiação limitada não é uma definição de poder, mas de propósito. Assim, a morte de Cristo é suficiente para salvar a todos, mas eficiente somente para salvar os eleitos."
"A expiação arminiana limita a expiação no seu poder, a calvinista no seu propósito."

Sequência lógica: - Homem depravado - Eleição incondicional - Expiação limitada

"Se a expiação não for limitada, então, Cristo morreu por pessoas que estão no inferno."
Textos importantes: Jo 10:11, 15, 26; Mt 20:28; 1Tm 4:10
"A morte de Cristo foi substitutiva, morreu no nosso lugar."

O que Cristo fez na cruz?
- Redenção (Is 53:10-11)
- Propiciação (1 Jo 4:10)
- Reconciliação (RM 5:10)
- Substituição (RM 8:32)


Palestra: Graça Irresistível - PR. Antônio Neto

"O fundamento da graça irresistível é a ideia de que foi Deus, e apenas Deus, quem operou na salvação do homem."
"É a conclusão lógica da depravação total."
"Nós só somos salvos porque Deus nos salvou."
"Não significa dizer que o homem jamais resiste a oferta da salvação."
"Não significa dizer que Deus salva pessoas à força."

É a obra soberana de Deus em vencer a nossa rebelião do nosso coração e trazer-nos à fé em Cristo, para que sejamos salvos. Jo 6:44, Rm 8:30, Jo 3:3, Jo 3:6, Ef 2:4-5, At 18:27, At 16:14, 1Jo 5:1.

"O novo nascimento é uma obra soberana e sobrenatural do Espírito Santo."
"Deus, e unicamente Deus, nos deu vida, pela graça somos salvos."
"A fé é uma expressão do novo nascimento."
"Por que irresistível? Porque Deus coloca em nós o seu Espírito Santo, que abre os nossos olhos para a realidade dos nossos pecados e para a sublimidade de Deus e do Senhor Jesus Cristo."
"É ao recebermos o Espírito Santo que somos convencidos amorosamente por Deus do nosso estado pecaminoso e necessidade de salvação."


Palestra: Perseverança dos Santos - PR. Felipe Prestes

"Deus assegura a nossa salvação."
"Que Deus fraco permite o homem perder a salvação que Ele assegurou anteriormente?"
"Se Deus providenciou, Deus vai assegurar a nossa salvação."
"Se os eleitos não perseverassem... A escolha de Deus falharia."

Rm 8:35-39; Jo 6:37; Jo 10:27-29; Fp 1:6; 2Tm 1:12; Ef 1:13-14; Rm 8:28-30; Jo 6:47; Jo 5:24

"Uma questão de segurança e de perseverança."
Soli Deo Gloria

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Documentário: O ESPELHO DOS MÁRTIRES 1





quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Conferência Teológica 2014 - IBLM


http://iblmpf.blogspot.com.br/

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Se de fato sou salvo, eu não deveria ser assim... A Bíblia Responde #45




Não consigo ter emoções, gostaria ser uma pessoa que fosse sensível, mas meu coração é de pedra, não consigo chorar, mesmo quando se trata da partida de um ente querido, sinto uma tristeza dentro de mim, tenho um problema do foro psiquiátrico e estou enclausurado no meu sofrimento e esqueço-me do sofrimento que causo há minha família, se de fato estou salvo por Cristo eu não deveria ser assim.

Infelizmente eu não o conheço pessoalmente para poder te aconselhar de maneira mais eficiente, mas creio que o conselho mais importante que posso lhe oferecer é para você procurar o seu Pastor ou algum irmão de confiança que seja maduro na fé e abrir o coração para essa pessoa.

Fomos criados por Deus para vivermos em comunidade, para sujeitarmos uns aos outros (Ef 5:21), para exortarmos e edificarmos uns aos outros (1Ts 5:11), abra seu coração para um irmãos em Cristo, orem juntos, peça aconselhamento, creio que você será muito edificado com isso.

Agora desejo citar alguns pontos que você mencionou e trazer uma posição bíblica sobre esse assunto, para se Deus assim permitir, poder te trazer luz sobre isso.

1 - “meu coração é de pedra”: é exatamente essa expressão que a bíblia cita como uma obra divina, trocar nosso coração de pedra por um de carne.

Ezequiel 11:19 “E lhes darei um só coração, e um espírito novo porei dentro deles; e tirarei da sua carne o coração de pedra, e lhes darei um coração de carne;”

É extremamente confortante saber que a mudança de coração não depende de nós, é uma obra de Deus. É Deus quem tira o nosso coração rebelde contra Ele e nos dá um novo coração.

Se você acha que seu coração ainda continua rebelde, duro, insensível, ore a Deus, peça um novo coração, um coração sensível, que ama a Deus em primeiro lugar, que se alegra com as coisas que alegram a Deus, que chora pelos motivos que fazem Deus chorar, que se compadece, que ama o próximo como a si mesmo.

2 - “sofrimento que causo há minha família”: o amor é um mandamento. (Jo 13:34, Rm 12:10, Jo 15:12, Jo 15:17, 1Ts 4:18...)

João 13:34 “Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis.”

Amor não é um mero sentimento, que um dia você acorda com ele e outro não. Amor é um exercício, você escolhe amar as pessoas, é um mandamento de Deus para nós. Se fosse um sentimento, como por exemplo a paixão, Deus não nos ordenaria a amar as pessoas, pois não dependeria somente de nós.

Portanto meu irmão, faça a escolha de amar as pessoas dia após dia, se esforce, lute contra seus desejos pessoais e cumpra com aquilo que Deus nos ordenou a fazer.

3 - “se de facto estou salvo por Cristo eu não deveria ser assim”: De fato, segundo as Escrituras, um cristão não deveria ser assim, portanto, se esforce, ore, busque auxílio, leia as Escrituras diariamente, encha sua mente com a mente de Deus, como? Medite dia e noite na Bíblia.

Salmo 1:2 “Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite.”

4 - “tenho um problema do foro psiquiátrico”: Mesmo sendo cristão não estamos livres de problemas de saúde, estamos sujeitos aos impactos provenientes da queda, provenientes do pecado. Procure orientação médica, existem muitos psiquiátricos cristãos, se possível for, busque um e procure ajuda.

A medicina avançada que temos em nossos dias é uma graça de Deus, um verdadeiro milagre. Não existe nada de errado em usar essa dádiva divina.

Que Deus te abençoe.

E guarde consigo: 2Co 2:14 “E graças a Deus, que sempre nos faz triunfar em Cristo, e por meio de nós manifesta em todo o lugar a fragrância do seu conhecimento.”

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Existe crente carnal?








A existência do crente carnal a luz de 1 Co 3.1-4.

Como sabemos, a grande maioria das heresias e erros doutrinários afirmam serem baseados nas próprias Escrituras, mas que quando analisado mais profundamente de fato possuem distorções do Ensino Bíblico como um todo. A doutrina em que ensina a possibilidade de que o crente tenha recebido a Cristo como Seu Salvador, mas que ainda não o reconhece como Seu Senhor, é amplamente aceita em meios evangélicos, justamente pela má interpretação, deste principal texto de 1 Co 3.1-4, porque quando confrontados pela plenitude das Escrituras, encontramos somente duas categorias de homens, regenerados e não regenerados (Rm 8.1-9) convertidos e não convertidos.

Para podermos entender melhor é importante entendermos o contexto e propósitos da carta de Paulo aos Coríntios.


Contexto histórico e cultural.

O apóstolo Paulo escreveu a carta aos Coríntios, (1 Co 1:1-3) na década de 50 d.c, provavelmente na metade do ano de 55 d.c. A cidade de Corinto era a capital comercial da Grécia. era uma cidade muito importante e influente não só para a maior parte da Grécia, mas para muitas áreas do Mediterrâneo, através de seus portos de Cencreia na parte oriental e o de Lequeu na parte ocidental, porque era uma passagem praticamente obrigatória para os comerciantes que vinham ou iam da Espanha, Ásia Menor, Itália, Sicília, Síria, Fenícia, Egito que geralmente faziam a transferência de suas cargas para navios maiores nos oito quilômetros do istmo ou rebocavam as embarcações menores da terra para o mar sobre oito quilômetros de trilhos [1].

Sendo assim, Corinto era conhecida por sua riqueza, opulência e prosperidade em vista do comércio destes portos, esta cidade se achava tão dominada pelos vícios com as quais as cidades comerciais são infestadas, ou seja, a luxúria, a arrogância a vaidade os prazeres, a cobiça insaciável e o egoismo desfreado. Também existiam as práticas de prostitutas cultuais que em nome de Afrodite ministravam diariamente no templo depravações raramente encontradas em outros santuários gregos, a ponto de que “Viver como um coríntio”, se tornou sinônimo de vida dissoluta e libertinagem.


Objetivos da carta de Paulo.

Foi neste local que Paulo se dirigiu em 51 d.c, onde fundou uma Igreja e posteriormente escreveu uma carta que tinha como objetivo corrigir os problemas que estavam ocorrendo naquela Igreja, vícios que entraram juntamente na Igreja, fazendo com que a disciplina bíblica ficasse deteriorada, algumas destas notícias Paulo recebeu através da casa de Cloe (1 Co 1:11), entre os assuntos tratados na carta estavam as divisões dentro da Igreja que não estavam preservando a unidade, também problemas quanto a imoralidade, liberdade cristã, casamento, desordem no culto público e até mesmo um inicio de apostasia na sã doutrina, com relação a um dos fundamentos da fé, referente a ressurreição dos mortos, fortemente marcados pela exortação de Paulo do uso da sabedoria humana ao invés da de Deus.


Tendo agora entendido melhor todas as questões da situação que estava ocorrendo na Igreja de Corinto, podemos nos ater de maneira mais específica no texto em questão, é possível pela afirmação do texto de 1 Co 3:1-4, classificar uma doutrina de crentes carnais, que receberam a Cristo como Salvador apenas?

Refutações a doutrina do crente carnal

Por vezes, o entendimento distorcido deste contexto geral, traz erros danosos aos dias de hoje, e um dos casos é relacionado com a ideia de uma terceira categoria de crentes, chamados crentes carnais.

A possível doutrina do crente carnal faz um uso equivocado, tanto de uma interpretação errada, quanto da aplicação errada de 1 Co 3: 1-4:

“Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e, sim, como a carnais, como a crianças em Cristo...não é evidente que andais segundo os homens?

È importante novamente relembrar que esta carta aos Coríntios não é primariamente uma carta doutrinaria. Tal como toda a Escritura ela contém doutrina, mas não foi escrita (como a carta aos Romanos) para lançar alicerces doutrinários. A preocupação de Paulo era tratar de problemas práticos em uma Igreja nova, neste mesmo capítulo 3 Paulo vai dar continuidade falando o motivo porque ele os esta considerando carnais (v3), eles estavam com problemas quanto a divisões partidárias, (v4), mas de fato, esquecendo os preceitos elementares de Cristo, agindo assim de maneira equivocada e se parecendo com aqueles que nem conheciam a Cristo.

Isso é totalmente diferente de se fazer uma categoria nova de crentes que possa ser intitulada de carnais, por receberem a Cristo como Salvador, mas não como Senhor.

No capítulo 2,versos 1 e 2 Paulo cita o exemplo de sua própria pregação, baseada não em sabedoria humana, mas no poder de Deus, o Evangelho de Cristo, “...fui ter convosco anunciando-vos o testemunho de Deus, não o fiz com ostentação de linguagem ou sabedoria...”, agora no capítulo 3 Paulo vai fazer a aplicação sobre o que falou no capítulo 2, “...não vos pude falar como a espirituais...”(1 Co 3:1-4).

A lamentação de Paulo referente ao esquecimento do ensino da glória de Deus, desta forma gerando partidarismo e divisão, uns dizendo “sou de Paulo”e outros “ sou de Apolo” (1 Co 3:4). Sendo assim, este texto faz menção ao problema dos corintios estarem disputando, fazendo grupos para seguirem, agindo com ciumes e contendas, desta forma sendo carnais, esquecendo que os alicerces de sua fé deveriam estar somente em Cristo. (1 Co 3:3).


Existe a possibilidade de receber a Cristo como Salvador e não como Senhor?

Esta talvez seja uma entre pelo menos 9 danos desta doutrina em nossos dias [2]. È importante lembrar que quando os apóstolos pregavam, proclamavam a Cristo como Senhor.
Interessantemente este é o versículo citado na placa da Igreja onde congrego que reforça ainda mais a impossibilidade de receber a Cristo como Salvador e não como Senhor:

“Porque nós não pregamos a nós mesmos, mas a Jesus Cristo, o Senhor” (2 Co 4.5). Outro fato importante a ser levado em consideração é que a palavra Salvador ocorre apenas duas vezes em Atos dos Apóstolos (5.31 e 13.23), por outro lado o título Senhor é mencionado 92 vezes, Senhor Jesus, 13 vezes e Senhor Jesus Cristo 6 vezes no mesmo livro, o Evangelho é:

“Crê no Senhor Jesus, e serás salvo, tu e tua casa. (At 16,31)”.

“Esteja absolutamente certa, pois, toda casa de Israel de que a este Jesus que vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo (At 2.36) e ainda: “Cristo morreu e ressurgiu para ser Senhor, tanto de mortos como de vivos (Rom 14,9)”.

É impossível receber a Cristo como Salvador se Ele também não for seu Senhor.


As dificuldades na vida cristã.

Com isso, não estamos afirmando que não existem dificuldades na vida do crente, tão pouco que não exista pecado na vida do crente, ou então que não existam estágios de crescimento espiritual, sabemos que em certo sentido todo crente é carnal “...a carne milita contra o Espirito (Gl 5:17)”.
Todavia, isso não quer dizer que existam três categorias de pessoas, o próprio Paulo quando trata de categorias só conhece duas, ele divide os homens em “naturais” e “espirituais” (1 Co 2:14-15). Certamente aqueles cristãos de Corinto eram imperfeitamente santificados, como, sem dúvida, são todos os crentes em maior e menor grau. Mas Paulo não estava dizendo que eles eram caracterizados pela carnalidade em todas áreas de suas vidas, Paulo estava reprovando um fruto específico da carnalidade, em um certo aspecto e não expondo uma doutrina geral da carnalidade [3].

È impossível usar este texto para dividir as pessoas em três categorias: Não convertidos, crentes carnais e crentes espirituais, e é impossível ter a Jesus como Salvador e não como Salvador.

Conclusão

Tendo esclarecido esta questão errada, podemos ver que esta doutrina do crente carnal, que considera Cristo como Salvador mas não como Senhor, não pode ser sustentada com a interpretação equivocada de 1 Co 3. Um dos principais problemas em relação a esta posição se dá relacionado a abrigar no seio da Igreja pessoas que de fato nunca foram regeneradas pelo Espírito Santo, crentes nominais.

Esta doutrina leva ao sério risco de não ver a necessidade do chamado ao arrependimento e confissão de pecados, é necessário deixar bastante claro que nem todo que chama Senhor, Senhor entrará no Reino dos céus (Mt 7.21). Que possamos exortar e chamar estes que podem se alicerçar nesta má compreensão sobre carnalidade, para viver uma vida reta diante de Deus, porque o reconhecimento dEle como Senhor é parte integral e necessária da conversão.

Termino com esta citação de A.A Hodge que escreveu: Você não pode receber a Cristo para justificação a não ser que o receba para santificação, a separação da justificação e da santificação é tão impossível de separar, quanto a circulação do sangue da inalação do ar, apesar de serem duas coisas diferentes você não pode ter uma e não ter a outra. Por igual modo a justificação e a santificação, elas se combinam e constituem uma única uma vida.


Em Cristo Senhor



Guinho







Notas

1- O Plano da Promessa de Deus-Walter C.Kaiser Jr. Pág.287,288- Ed. Vida Nova.
2- Existem pelo menos 9 danos grandes desta doutrina do crente carnal, 1-Uso errado de 1 Co 3, 2- As bençãos da Nova Aliança são distintas, 3-A fé salvadora e a fé espúria não são distinguidas, 4- A omissão do arrependimento, 5- Ensino errado sobre a segurança da salvação, 6- Conceito inadequado do pecado, 7- Necessidade da segunda operação da graça, 8- Conceito errado de Cristo, 9- Falsa espiritualidade. Extraidos de: Existe Mesmo o Crente Carnal? Ernest Reisinger- Ed. Fiel.
3- Existe Mesmo o Crente Carnal? Ernes Reisinger- Pág 17- Ed. Fiel


segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Evangelismo bíblico: Deus, céu e inferno





segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Qual é a natureza das nossas escolhas?... A Bíblia Responde #44




Paulo menciona que temos capacidade para exercitar nossa vontade. Qual é a natureza de nossa escolha?

Peço desculpas por não identificar o texto de Paulo que você citou, para com isso, poder fazer uma análise exegética do mesmo, portanto focarei na segunda parte da sua pergunta: A natureza da vontade humana.

Sabemos claramente que todo o ser humano possui vontades e escolhas, mas a questão é: As nossa escolhas sofrem alguma influência além das nossas vontades? Possuímos livre-arbítrio?

Livre-arbítrio é conseguir tomar decisões livremente, agindo conforme a nossa natureza, sem qualquer influência externa. Sabemos que Adão possuía livre-arbítrio e Jesus Cristo também. Mas e o resto da humanidade, descendentes de Adão e Eva?

Após a queda o pecado entrou no mundo, e herdamos essa herança de pecado desde o nascimento. A partir de Adão, como Martinho Lutero muito bem definiu, não possuímos livre-arbítrio mas sim escravo-arbítrio. Escravo por conta da influência dos malefícios do pecado. Todas as nossas escolhas são diretamente influenciadas pelo pecado que habita em nós, mesmo depois de convertidos ao Evangelho, o pecado ainda permanece em nós.

Podemos dizer que somos livres sim, mas livres das consequências desse pecado, livres da condenação eterna, até que sejamos libertos de uma vez por todas, até que recebamos corpos glorificados quando Cristo retornar.

Esta incapacidade entretanto não reduz a nossa responsabilidade. A Bíblia deixa bem claro que não só temos a capacidade de escolher, mas também temos a responsabilidade de escolher sabiamente. No Antigo Testamento, Deus escolheu uma nação (Israel), mas os indivíduos daquela nação ainda tinham a obrigação de escolher obedecer a Deus. Da mesma forma, os indivíduos de fora de Israel também podiam fazer a escolha de acreditar e seguir a Deus (por exemplo, Rute e Raabe).

Entretanto, como pode o homem, limitado por uma natureza pecaminosa, escolher o que é bom? É somente através da graça e do poder de Deus que o livre-arbítrio torna-se verdadeiramente "livre" no que diz respeito à escolha da salvação (João 15:16). É o Espírito Santo que atua na e através da vontade de uma pessoa a fim de regenerá-la (João 1:12-13) e dar-lhe uma nova natureza criada "segundo Deus, em justiça e retidão procedentes da verdade" (Efésios 4:24). A salvação é obra de Deus. Ao mesmo tempo, nossas motivações, ações e desejos são voluntários e somos devidamente responsabilizados por eles.

Que Deus te abençoe.

Solus Christus

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Uma Noite de Escatologia - 3/3





Uma Noite de Escatologia - 2/3





Uma Noite de Escatologia - 1/3





domingo, 31 de agosto de 2014

A verdadeira vida em Cristo.








                      “E não quereis vir a mim para terdes vida.” Jo 5.40

Nas palavras do Senhor Jesus existe a mais dura verdade sobre os homens. Entre as restrições das pessoas não se achegarem a Cristo a mais comum é:

Não preciso de um Deus que controla minha vida, que me diz o que fazer.

Falta a estas pessoas uma compreensão correta sobre Deus, Jesus e sua Palavra. Quando apresentado um justo julgamento diante desta rebeldia, o homem se sente injustiçado e rebela-se ainda mais contra Seu criador.

O deus deles é seu próprio umbigo,não o Deus Soberano das Escrituras que faz tudo conforme Sua livre vontade. O Jesus deles se resume ao homem que separou o calendário em antes e depois dele, mesmo quando não percebem isso e em vez de receber ao Senhor Jesus como Deus da glória, conselheiro fiel e príncipe da paz.

A Bíblia para estas pessoas não pode ser usada nem mesmo como fonte histórica, tendo em vista que a mesma se autentica pelos historiadores ao longo dos seculos, muito menos é tida como a verdade absoluta revelada de Deus que guia, ensina corrige.

Queridos, há vida no Senhor Jesus, a verdadeira vida, Ele é o caminho, corramos para o Senhor Jesus que pode, assim como tantos milagres relatados em Sua santa Palavra, nos conceder através de Seu Espírito o milagre do novo nascimento, mudando nosso coração duro de pedra rebelde contra Cristo e Sua Palavra, por um coração de carne que obedece a Cristo por amor.


Em Cristo


Guinho 

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Coragem em Proclamar o Evangelho.






                  “Ide e pregai o Evangelho a toda criatura.” Mc 16:15

Que doce e majestosa tarefa confiada a nós pelo Rei, proclamar a sua vinda e anunciar a sua volta.

Tantas vezes envergonhado e acanhado pelo desconforto deste anuncio, Senhor perdoa-me por tamanha covardia e me encoraja e consola pelo poder que vem de Ti. Descubro minha fragilidade e incapacidade sem a tua força, como Isaías (6:5) sentindo-se homem de lábios impuros em meio a uma geração perversa.

Perdoa-nos Senhor por tantas vezes não proclamar o Evangelho sabendo que é o Teu Santo Espírito quem convence o homem cego para enxergar a Tua beleza, surdo para escutar os teus mandamentos e tolo para não desfrutar da Tua Salvação.


Como o Salmista te peço que possa morar na Tua casa para sempre, rogo-te que nos conceda força, intrepidez, sabedoria e compaixão para aproveitarmos as oportunidades de testemunhar todos os teus grandes feitos, dos quais eu pobre pecador sou testemunha da libertação que tu providenciaste através da cruz.

Senhor, te imploro, retira de mim o orgulho que por vezes tenta me fazer não proclamar o Teu Evangelho, do medo de que possa ser considerado louco por proclamar a mensagem de que as pessoas precisam de um Salvador e me conceda a verdadeira humildade, revestida da Tua sabedoria que proporciona a coragem de dizer aos homens que o Rei chegou e ele diz que é tempo de que todos se arrependam, desfrutem de Seu Reino. 

Meu desejo é de que tu me faças teu mensageiro fiel, sem acréscimo nem firulas, sem colocar açúcar no amargo gosto do pecado. Tendo temor de não falsificar a mensagem para me tornar agradável a todos, mas pelo contrário, poder dizer:

O Rei reina e mandou trazer as boas novas de Salvação!


Em Cristo

GUINHO


segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Isso não é uma contradição sobre o pecado?... A Bíblia Responde#43









Me explique qual a diferença do versículo da 1°epistola de João cp-1 vs 8, e o cp-3 vs 8. sendo que o 1° vs fala que se não temos pecado somos mentiroso e o outro (2°) fala que se pecarmos somos filhos do diabo?


Obrigado pela pergunta, é importante sempre que você fizer a leitura do texto bíblico, você levar alguns passos indispensáveis para a interpretação correta.

Primeiro, leia o versículo dentro de seu contexto imediato, é possível que nos versículos anteriores ou posteriores estejam contidas importantes explicações. 

Segundo, leia o versículo a luz do contexto do capítulo, o que este capítulo traz como explicação ou ensino.

Terceiro, é importante sempre aprendemos o propósito em que o livro foi escrito, neste caso, na primeira carta de João, ele escreveu a carta com o intuito de desmascarar os falsos mestres, quanto ao que eles ensinavam sobre Deus e Jesus, dando suporte aos crentes quanto a sua vida, você pode entender mais neste ótimo resumo:


Tendo feito estas considerações, fica muito mais fácil de entender o contexto em que cada versículo foi escrito.

No capítulo 1, João se preocupa em explicar que Cristo realmente veio em carne, porque aqueles falsos lideres estavam ensinando que Jesus não tinha vindo em corpo físico, então João continua descrevendo sobre o caráter de Deus  (Jo 1.5), sobre a maneira de vida que o crente deve viver em relação a Deus (Jo 1.6), reconhecendo seus pecados (Jo1.8) e depositando sua confiança naquele que pode perdoar e justificar diante de Deus (Jo1.8), João termina este capítulo afirmando que aqueles que não acham que são pecadores, que não acham que precisam de um mediador para esta condição, são mentirosos e o ensino do Evangelho não está neles (Jo 1.10). Somente uma pessoa que reconhece que é pecador diante de Deus e que necessita de perdão através do único "mediador", a saber Jesus, é realmente um crente . 

Após João trazer consolo  e incentivo aos crentes (1 Jo 2,1) e descrever que aquele que se diz crente, tem um exemplo a ser seguido (1Jo 2.6), ele volta no capítulo 3, agora com mais força demonstrando as características  dos filhos de Deus (1 Jo 3.6),  que aqueles que nasceram novamente, foram regenerados em Cristo, não vivem mais na "prática" do pecado, ou seja, que está em Cristo, unido a Ele pela fé, tem sua vida para Cristo. Ao contrário daqueles que vivem na prática (1 Jo 3.8), é do diabo porque nunca de fato se arrependeu de seus pecados e cada um imita seu senhor (Jo 8.44). 

Se você continuar lendo o capítulo 3, o versículo 9, vai explicar exatamente isso, aqueles que estão em Cristo não são mais servos do pecado, eles não sentem prazer com o pecado, agora eles estão debaixo do senhorio de Cristo, não existe meio termo, conforme vemos em 1 Jo 3.6, aqueles que vivem na prática constante do pecado, sem arrependimento, desejando ser parecido com Cristo, de fato nunca o conheceu. Lendo os textos em seus contextos, o entendimento é bastante esclarecido.

Este texto pode ser útil para entender mais sobre a vida cristã descrita por João:


Em Cristo