terça-feira, 9 de outubro de 2012

A "coisificação" da sociedade


http://3.bp.blogspot.com/_WY3qKeZY6L0/TKXCyE9bIaI/AAAAAAAATAY/o6WE2IRnTos/s1600/fantoche.jpg

Vivemos num mundo que valoriza muito mais as coisas do que as pessoas, o valor de alguém está diretamente relacionado ao que ele produz. É isso que move a nossa sociedade.

O idoso é tão negligenciado na nossa cultura pelo simples motivo de que ele é apenas uma pessoa, não consegue ser nada além disso, já não produz mais nada. E como somos medidos pelo que produzimos, o idoso acaba não tendo valor algum para a sociedade moderna.

Tudo isso reflexo da ausência de Deus, da ausência da Palavra que instrui e regenera os corações, somos seres criados para a dependência, não fomos criados para sermos independentes.

Como dizia John Stott "Nossa vida é o caminho entre dois momentos de nudez". Nascemos totalmente dependentes, sequer conseguimos nos alimentar sozinhos e no fim da nossa vida voltaremos ao mesmo ponto em que começamos, a dependência total e completa.

Deus nos criou assim, requer muita humildade para aceitar viver sobre a dependência de outros, não existe nenhuma forma de orgulho nisso. Há orgulho naqueles que afirmam: "Quando eu me tonar peso para alguém, prefiro morrer!".

Nunca conheceu o Evangelho, aquele que nos traz para a humildade constante, que nos ensina sim, a sermos dependentes mutuamente.

Efésio 5:21 "Sujeitando-vos uns aos outros no temor de Deus."

Se você não quer ser dependente aqui na sua vida terrena, se não consegue ser humilde e reconhecer a necessidade e a importância das outras pessoas na sua vida, como poderá ser dependente de Cristo?

Tiago 4:7 "Sujeitai-vos, pois, a Deus..."

Se você acha que não precisa de ninguém na sua vida, que você se vira sozinho, como será possível reconhecer que precisa de um salvador?

Precisamos retornar ao estado de completa dependência, das pessoas e de Deus. Só assim podemos valorizar o que realmente importa nessa vida, a saber, Jesus Cristo e os irmãos.

Jesus nos ajude.

Fernando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário