terça-feira, 31 de janeiro de 2012

O Inferno É Necessário


quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Geração Entretenimento


http://papodehomem.com.br/wp-content/uploads/2009/07/familia-zumbi.jpg?95884c

Vivemos uma geração privilegiada, temos acesso a inúmeras traduções da Bíblia, temos acesso a excelentes Bíblias de estudo, como a MacArthur (que eu recomendo), temos materiais cristãos dos mais diversos, vídeos, músicas, livros, até mesmo filmes de alta qualidade.

Temos inúmeras ferramentas, youtube, blogs, pregações ao vivo pela internet, redes sociais, podemos compartilhar do evangelho como nenhuma outra geração jamais conseguiu. Imaginem os apóstolos com todos os nossos recursos?

Mas da mesma maneira que somos privilegiados nesse sentido temos em contra partida o acesso facilitado em muitas coisas que em nada agradam a Deus e em nada acrescentam no nosso crescimento espiritual e santidade.

O entretenimento é o grande vilão da nossa geração, inúmeros canais de televisão ao nosso dispor, com uma programação que não exige 1% do nosso intelecto, apenas para nos anestesiar em frente ao televisor e fazer nossa vida passar mais depressa.

A internet com acesso livre a qualquer tipo de material, fazendo muitos de nós escravos da pornografia, dos jogos online, escravos até mesmo da informação. Vídeo games, filmes, entre tantas outras formas de diversão que transformam nosso tempo em algo inútil e insignificante, levando em consideração o que Deus determinou para as nossas vidas.

Perdemos um tempo precioso que não volta mais, um tempo que poderíamos estar aprendendo mais da Palavra de Deus, um tempo que poderíamos estar com nossas famílias, filhos, esposas, um tempo que poderíamos estar orando, em comunhão com os amigos, com a igreja, evangelizando.

O Guinho falou na pregação deste terça algo que é impossível que não faça uma pessoa em sã consciência pensar: Faça um paralelo, o tempo que você gasta com o entretenimento, com a televisão por exemplo, se você fica assistindo um jogo de futebol que dura 90 minutos, você gasta este mesmo tempo com Deus?

Quanto tempo desperdiçado...

Parecemos zumbis, anestesiados pelo entretenimento esperando a morte chegar...

Que Jesus nos ajude.

Fernando.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Jesus bateria em uma criança?


A soberania de DEUS diante da nossa responsabilidade


http://4.bp.blogspot.com/-zJClRvDtc28/TV2zG3uPF8I/AAAAAAAAADY/Dhfm6GlYGxQ/s1600/vaso-copy2.jpg

Romanos 9:27 E como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo depois disto o juízo.

Muitas vezes acreditamos estar vivendo em tempos onde uma segunda chance sempre será providenciada, e esquecemos que nossa verdadeira chance, chama-se “hoje”, chance essa de aceitarmos Jesus, chance essa de vivermos de acordo com os padrões que nosso Pai celeste espera para nós, pessoas vivem com seu orgulho de tal forma que trocam a forma de Deus, para nosso devedor.

Acreditando que por serem pessoas boas, sua obras melhores serão consideradas diante de Deus, não é dessa forma que funciona, pelo menos da maneira de um Deus santo agir, como verdadeiro juiz, Ele irá pesar as atitudes boas e favorecerá as ruins? De maneira nenhuma, a condenação vem pela parte errada e não pela boa.

Somente através de Jesus que se entregou por nós quando ainda éramos pecadores temos livre acesso ao Pai (Rom 5:8), tudo isso foi feito mediante a graça de Deus, por amor, sem merecimento nenhum, porém isso não anula a nossa responsabilidade mediante a eleição de Deus, muitos que se dizem cristãos, entendem que por Deus ser soberano na salvação, não precisamos fazer nada diante disso, Charles Spurgeon disse: "A santidade  é o lado visível da salvação", na qual eu concordo plenamente, ou então JC Ryle: "A Bíblia fala de eleição por meio da santificação e de predestinação à conformidade com a imagem do Filho de Deus. Se faltarem esses ingredientes, é perda de tempo falar em eleição.", são esses os detalhes que as pessoas esquecem quando falam em Deus.

Mesmo diante de toda sua majestade e soberana vontade, na qual Deus faz tudo que lhe agrada (salmo 115:3), fica muito visível e claro as responsabilidades que o povo cristão deve exercitar, entre elas ,confessar Jesus as homens(Mt 10:32-33), amar, conhecer e guardar seus mandamentos(Jo 14:21), desenvolver nossa salvação com temor e tremor (Fp 2:12), não o fazendo como se por aprovação dos homens, sendo que quando não estão presentes não permanecemos da mesma maneira como que por aparência, e sim sabendo que o Pai altíssimo, vê tudo e nada pode se esconder de seu poder.

Nosso tempo de responsabilidade é agora, não amanha e nem o ano que vem, busquemos desenvolver nossa salvação, reconhecendo que é pela graça de Deus, mas que nossa vida deve viver em sintonia tanto como uma molécula de água “h2o”, que separa o hidrogênio de oxigênio, não serve de nada ,pelo contrario não pode gerar vida, entendamos dessa mesma maneira, que Deus escolhe os seus, mas de maneira nenhuma devemos deixar de praticar com afinco na busca sem parar de nossa  santidade, sabendo que  não alcançamos ainda a perfeição, mas devemos continuar com o foco focado na obra de nosso Salvador, na qual ele já pagou o preço, alto preço por nossas vidas, mesmo sem merecermos (Fp 3:12).

Glorias a Deus

Guinho

sábado, 21 de janeiro de 2012

É Deus quem prepara nossa mente


http://cabecajovem.com/wp-content/uploads/2012/01/um-sentimento.jpg

Então, abriu-lhes o entendimento para compreenderem as Escrituras.” (Lc 24:45 ARC1995)


JESUS, a quem ontem à noite vimos abrir as Escrituras, vemo-Lo aqui abrindo o entendimento. Na primeira obra Ele tem muitos colaboradores, mas na segunda Ele permanece sozinho; muitos podem levar as Escrituras à mente, mas só Deus pode preparar a mente para receber as Escrituras. Nosso Senhor Jesus difere de todos os outros mestres; estes chegam ao ouvido, mas Ele instrui o coração. Eles tratam com a letra exterior, mas Ele comunica um gosto interior pela verdade, pelo que percebemos o seu sabor e o seu espírito. O mais ignorante dos homens chega a ser um perfeito erudito na escola da graça, quando o Senhor Jesus, pelo Seu Santo Espírito, lhe revela os mistérios do Reino e lhe concede a divina unção, pela qual o capacita a contemplar o invisível. Felizes somos nós se os nossos entendimentos têm sido abertos e fortalecidos pelo Mestre! Quantos homens de profunda erudição ignoram as coisas eternas! Conhecem, da revelação, a letra que mata, mas não podem discernir o seu espírito que vivifica. Têm um véu sobre os seus corações que os olhos da razão carnal não podem penetrar. Tal era o nosso caso a algum tempo atrás. Nós, que agora vemos, fomos noutros tempos inteiramente cegos. A verdade era, para nós, como a beleza na escuridão, uma coisa despercebida e abandonada. Se não tivesse sido pelo amor de Jesus, teríamos permanecido na sua perfeita ignorância até este momento; porquanto, sem a abertura misericordiosa do nosso entendimento feita por Ele, nós não teríamos alcançado mais o conhecimento espiritual, assim como um menino não pode por si só escalar as Pirâmides, ou uma avestruz voar até às estrelas. A escola de Jesus é a única em que a verdade de Deus pode ser realmente aprendida. Outras escolas podem ensinar-nos o que deve ser crido, mas só a escola de Cristo nos pode ensinar como crer na verdade. Sentemo-nos aos pés de Jesus, e com ardente rogo imploremos a Sua bendita ajuda, para que a nossa tapada sabedoria possa ser esclarecida e os nossos débeis entendimentos aceitem as coisas celestiais.




Charles H. Spurgeon
Fonte: No Caminho de Jesus 
Tradução de Carlos António da Rocha

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

[Teologia Visual] Ordo Salutis – Infográfico





Por: Tim Challies. Copyright: © challies.com
Tradução e adaptação: voltemosaoevangelho.com
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

Oração por homens e mulheres de Deus


terça-feira, 17 de janeiro de 2012

[Os Meios da Graça] Oração (2) – Como está sua vida de oração?


M.Lloyd-Jones – Como está sua vida de oração?

Qual é o lugar da oração em sua vida? Que proeminência tem ela em nossas vidas? É uma pergunta que eu dirijo a todos. É necessário que ela atinja tanto o homem que é bem versado nas Escrituras e que tem um bom conhecimento de doutrina e teologia, quanto a qualquer outro. Que lugar a oração ocupa em nossas vidas e quão essencial ela é para nós? Será que temos percebido que sem ela desfalecemos?
Se todo o meu conhecimento não me conduz à oração, certamente há algo de errado em algum lugar.
Nossa condição definitiva como cristãos é testada pelo caráter da nossa vida de oração. Isso é mais importante que o conhecimento e o entendimento. Não pensem que eu estou diminuindo a importância do conhecimento. Tenho passado a maior parte da minha vida tentando mostrar a importância de se ter um bom conhecimento e entendimento da verdade. Isso é de importância vital. Só há uma coisa que é mais importante: a oração. O teste definitivo da minha compreensão do ensino bíblico é a quantidade de tempo que eu gasto em oração. Como a teologia é, no final das contas, conhecimento de Deus, quanto mais teologia eu conheço, mais ela deveria me guiar na busca desse conhecimento. Não se trata de conhecer sobre Ele, mas de conhecê-lO. O objetivo inteiro da salvação é me trazer a um conhecimento de Deus. Eu posso aqui falar de uma maneira acadêmica sobre regeneração, mas o que é, afinal, a vida eterna? É que eles possam conhecer a Ti, o único Deus verdadeiro e a Jesus Cristo a quem enviaste. Se todo o meu conhecimento não me conduz à oração, certamente há algo de errado em algum lugar. Espera-se que ele faça exatamente isso. O valor do conhecimento é que ele me dá uma tal compreensão do valor da oração, que eu passo a dedicar tempo a ela e a me deleitar com ela. Se meu conhecimento não produzir esses resultados em minha vida, há algo de errado e espúrio nele, ou então devo estar lidando com este conhecimento de uma maneira completamente equivocada.
Por D.M.Lloyd-Jones. Traduçãobomcaminho.com

Hernandes Dias Lopes – É Possível um Crente Fiel Viver sem Orar?

 

 

Por: Hernandes Dias Lopes. Website: hernandesdiaslopes.com.br
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que adicione as informações supracitadas, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Os Cinco Pontos do Calvinismo


Embora o calvinismo não seja resumido somente aos famosos 5 Pontos (tulip), creio que uma idéia resumida dos principais pontos quanto à soteriologia (doutrina da salvação) da teologia reformada (calvinista) possa dar uma ajuda aos interessados. Eis aqui, então, um resumo dos famosos cinco pontos do calvinismo dispostos no histórico acróstico TULIP.
TULIP
Acróstico formado pelas iniciais, em inglês, das cinco doutrinas reformadas da salvação, conhecidas também como as Doutrinas da Graça.
  1. Depravação Total (Total Depravity)
  2. Eleição Incondicional (Unconditional Election)
  3. Expiação Limitada (Limited Atonement)
  4. Graça Irresistível (Irresistible Grace)
  5. Perseverança dos Santos (Perseverance of the Saints)
Depravação Total
A Bíblia diz que Deus criou o primeiro homem, Adão, à Sua imagem e semelhança. Deus fez um pacto com esse homem a fim de que, através da obediência aos Seus mandamentos, este pudesse obter vida. Contudo, o homem falhou desobedecendo a Deus deliberadamente, fazendo uso do seu livre-arbítrio, rebelando-se contra o seu Criador. Este pecado inicial de desobediência (conhecido como a Queda do Homem) resultou em morte espiritual e ruptura na ligação de sua alma com Deus, o que mais tarde trouxe também sua morte física. Sendo Adão o representante de toda a raça humana, todos caímos com ele e fomos afetados pela mesma corrupção do pecado. Tornamo-nos objetos da justa ira de Deus e a morte passou a todos os homens.
Toda a humanidade herdou a culpa do pecado de Adão e por isso todos nascemos totalmente depravados e espiritualmente mortos. A morte espiritual não quer dizer que o espírito humano esteja inativo, mas sim que o homem é culpado (tem um passado manchado) e corrupto (possui uma natureza má). A depravação total não quer dizer que os homens são intensivamente maus (que somos tão maus quanto poderíamos ser), mas sim que somos extensivamente maus (todo o nosso ser, intelecto, emoções e vontade estão corrompidos pelo pecado).
A depravação total também significa que o homem possui uma inabilidade total para restaurar o relacionamento com seu Criador. Por causa da depravação, o homem natural, por si mesmo, é totalmente incapaz de crer verdadeiramente em Deus. O pecador está morto, cego e surdo para as coisas espirituais. Desde a Queda o homem perdeu o seu livre-arbítrio e passou a ser escravo de sua natureza corrompida e por isso ele é incapaz de escolher o bem em questões espirituais. Todas as falsas religiões são tentativas do homem de construir para si um deus que lhe seja propício. Porém, todas essas tentativas erram o alvo, pois o homem natural por si mesmo não quer buscar o verdadeiro Deus.
Devido ao estado de depravação do homem, se Deus não tomasse a iniciativa de salvá-lo, ele continuaria morto eternamente. O homem natural sem o conhecimento de Deus jamais chegará a este conhecimento se Deus não ressuscitá-lo espiritualmente através de Jesus Cristo.
REFERÊNCIAS BÍBLICAS: Gn 2:17; Gn 6:5; Gn 8:21 / 1Rs 8:46 / Jo 14:4 / Sl 51:5 / Sl 58:3 / Ec 7:20 Is 64:6 / Jr 4:22; Jr 9:5-6; Jr 13:23; Jr 17:9 / Jo 3:3; Jo 3:19; Jo 3:36;Jo 5:42; Jo 8:43,44 / Rm 3:10-11; Rm 5:12; Rm 7:18, 23; Rm 8:7 /1Co 2:14 / 2Co 4:4 / Ef 2:3 / Ef 4:18 / 2Tm 2:25-26 / 2Tm 3:2-4 / Tt 1:15
Eleição Incondicional
Devido ao pecado de Adão, seus descendentes entram no mundo como pecadores culpados e perdidos. Como criaturas caídas, elas não têm desejo de ter comunhão com o seu Criador. Deus é santo, justo e bom, ao passo que os homens são pecaminosos, perversos e corruptos. Deixados à sua própria escolha, os homens inevitavelmente seguem seu coração corrupto e criam ídolos para si. Conseqüentemente, os homens têm se desligado do Senhor dos céus e têm perdido todos os direitos de Seu amor e favor. Teria sido perfeitamente justo para Deus ter deixado todos os homens em seus pecados e miséria e não ter demonstrado misericórdia a quem quer que seja. É neste contexto que a Bíblia apresenta a eleição.
A eleição incondicional significa que Deus, antes da fundação do mundo, escolheu certos indivíduos dentre todos os membros decaídos da raça humana e os predestinou para serem o objeto de Seu imerecido amor e para trazê-los ao conhecimento de Si mesmo. Esses, e somente esses, Deus propôs salvar da condenação eterna. Deus poderia ter escolhido salvar todos os homens (pois Ele tinha o poder e a autoridade para fazer isso), ou Ele poderia ter escolhido não salvar ninguém (pois Ele não tem a obrigação de mostrar misericórdia a quem quer que seja), porém não fez uma coisa nem outra. Ao invés disso, Ele escolheu salvar alguns e excluir (preterir) outros. Sua eterna escolha de determinados pecadores para a salvação não foi baseada em qualquer ato ou resposta prevista da parte daqueles escolhidos, mas foi baseada tão somente no Seu beneplácito e na Sua soberana vontade. Desta forma, a eleição não foi condicionada nem determinada por qualquer coisa que os homens iriam fazer, mas resultou inteiramente do propósito determinado pelo próprio Deus.
Os que não foram escolhidos foram preteridos e deixados às suas próprias inclinações e escolhas más para serem punidos pelos seus pecados. Não cabe à criatura questionar a justiça do Criador por não escolher todos para a salvação. Deve-se ter em mente que, se Deus não tivesse graciosamente escolhido um povo para Si mesmo e soberanamente determinado prover-lhe e aplicar-lhe a salvação, ninguém seria salvo.
REFERÊNCIAS BÍBLICAS: Dt 4:37; Dt 7:7-8 / Pv 16:4 / Mt 11:25; Mt 20:15-16; Mt 22:14 / Mc 4:11-12 Jo 6:37; Jo 6:65; Jo 12:39-40; Jo 15:16 / At 5:31; At 13:48; At 22:14-15 /Rm 2:4; Rm 8:29-30; Rm 9:11-12; Rm 9:22-23; Rm 11:5; Rm 11:8-10 /Ef 1:4-5; Ef 2:9-10 / 1Ts 1:4; 1Ts 5:9 / 2Ts 2:11-12; 2Ts 3:2/ 2Tm 2:10,19/1 Pe 2:8 / 2 Pe 2:12 / Tt 1:1 / 1Jo 4:19 / Jd 1:3-4 / Ap 13:8; Ap 17:17
Expiação Limitada
Embora Deus tenha resolvido salvar da condenação um certo número de homens, Sua santidade e justiça exigem que o pecado seja punido. Como os escolhidos de Deus são pecadores, uma expiação completa e perfeita era necessária. Jesus Cristo, o Filho de Deus feito homem, suportou o castigo merecido pelos pecadores e obteve a Salvação para os Seus eleitos.
A eleição em si não salvou ninguém; apenas destacou alguns pecadores para a salvação. Os que foram escolhidos por Deus Pai e dados ao Filho precisavam ser redimidos para serem salvos. Para assegurar sua redenção, Jesus Cristo veio ao mundo e tomou sobre Si a natureza humana para que pudesse identificar-se com os Seus eleitos e agir como seu representante ou substituto. Cristo, agindo em lugar do Seu povo, guardou perfeitamente a lei de Deus e dessa forma produziu uma justiça perfeita a qual é imputada aos eleitos ou creditada a eles no momento em que são trazidos à fé nele. Através do que Cristo fez, esse povo é constituído justo diante de Deus. Os eleitos são libertos da culpa e condenação como resultado do que Cristo sofreu por eles. Através do Seu sacrifício substitutivo, Jesus sofreu a penalidade dos pecados dos eleitos e assim removeu a culpa deles para sempre. Por conseguinte, quando Seu povo é unido a Ele pela fé, é-lhe creditada perfeita justiça pela qual ficam livres da culpa e condenação do pecado. São salvos não pelo que fizeram ou irão fazer, mas tão somente pela fé na obra redentora de Cristo.
A obra redentora de Cristo foi definida em desígnio e realização. Foi planejada para render completa satisfação em favor de certos pecadores específicos e, de fato, assegurou a salvação para esses indivíduos e para ninguém mais. A salvação que Cristo adquiriu para o Seu povo inclui tudo que está envolvido no processo de trazê-los a um correto relacionamento com Deus, incluindo os dons da fé e do arrependimento. Deus não deixou aos pecadores a decisão se a obra de Cristo será ou não efetiva. Pelo contrário, todos aqueles por quem Cristo morreu serão infalivelmente salvos. A redenção, portanto, foi designada para cumprir o propósito divino da eleição.
REFERÊNCIAS BÍBLICAS: 1Sm 3:14 / Is 53:11-12 / Mt 1:21; Mt 20:28; Mt 26:28 / Jo 10:14-15 /Jo 11:50-53; Jo 15:13; Jo 17:6,9,10 / At 20:28 / Rm 5:15 / Ef 5:25 / Tt 3:5 /Hb 9:28 / Ap 5:9

Graça Irresistível
Cada membro da Trindade divina – Pai, Filho e Espírito Santo – participa e contribui para a salvação dos pecadores eleitos. Deus Pai, antes da fundação do mundo, selecionou aqueles que iriam ser salvos e deu-os ao Filho para serem o Seu povo. Na época oportuna o Filho veio ao mundo e assegurou a redenção desse povo. Mas esses dois grandes atos – a eleição e a redenção – não completam a obra da salvação, pois está incluída no plano divino para a recuperação do pecador perdido a obra renovadora do Espírito Santo, pela qual os benefícios da obediência e da morte de Cristo são aplicados ao eleito. A Graça Irresistível ou Eficaz significa que o Espírito Santo nunca falha em trazer à salvação aqueles pecadores que Ele pessoalmente chama a Cristo. Deus aplica inevitavelmente a salvação a todo pecador que tencionou salvar, e é Sua intenção salvar todos os eleitos.
O apelo do evangelho estende uma chamada à salvação a todo que ouve a mensagem. Ele convida a todos os homens, sem distinção, a beber da água da vida e viver. Ele promete salvação a todo que se arrepender e crer. Mas essa chamada geral externa, estendida igualmente ao eleito e ao não eleito, não trará pecadores a Cristo. Por que? Porque os homens estão, por natureza, mortos em pecado e debaixo de seu poder. Eles são, por si mesmos, incapazes de abandonar os seus maus caminhos e se voltarem a Cristo, para receber misericórdia. Nem podem e nem querem fazer isso. Conseqüentemente, o não regenerado não vai responder à chamada do evangelho para arrepender-se e crer. Nenhuma quantidade de ameaças ou promessas externas fará um pecador cego, surdo, morto e rebelde se curvar perante Cristo como Senhor e olhar somente para Ele para a salvação. Tal ato de fé e submissão é contrário à natureza do homem.
Por isso, o Espírito Santo, para trazer o eleito de Deus à salvação, estende-lhe uma chamada especial interna em adição à chamada externa contida na mensagem do evangelho. Através dessa chamada especial, o Espírito Santo realiza uma obra de graça no pecador que inevitavelmente o traz à fé em Cristo. A mudança interna operada no pecador eleito o capacita a entender e crer na verdade espiritual.
No campo espiritual, são lhe dados olhos para ver e ouvidos para ouvir. O Espírito Santo cria no pecador eleito um novo coração e uma nova natureza. Isto é realizado através da regeneração (novo nascimento), pela qual o pecador é feito filho de Deus e recebe a vida espiritual. Sua vontade é renovada através desse processo, de forma que o pecador vem espontaneamente a Cristo por sua própria e livre escolha.
REFERÊNCIAS BÍBLICAS: Jr 24:7 / Ez 11:19-20; Ez 36:26-27 / Mt 16:17 / Jo 1:12-13; Jo 5:21; Jo 6:37; Jo 6:44-45 / At 16:14; At 18:27 / 1Co 4:7 / 2Co 5:17 / Gl 1:15 / Rm 8:30 / Ef 1:19-20 / Cl 2:13 / 2Tm 1:9 / 1Pe 2:9; 1Pe 5:10 / Hb 9:15

Perseverança dos Santos
Os eleitos não são apenas redimidos por Cristo e regenerados pelo Espírito; eles são mantidos na fé pelo infinito poder de Deus. Todos os que são unidos espiritualmente a Cristo, através da regeneração, estão eternamente seguros nEle. Nada os pode separar do eterno e imutável amor de Deus. Foram predestinados para a glória eterna e estão, portanto, assegurados para o céu. A perseverança dos santos não significa que todas as pessoas que professam a fé cristã estão garantidas para o céu. Somente os santos – os que são separados pelo Espírito – é que perseveram até o fim. São os crentes – aqueles que recebem a verdadeira e viva fé em Cristo – os que estão seguros e salvos nele. Muitos que professam a fé cristã desistem no meio do caminho, mas eles não desistem da graça, pois nunca estiveram na graça. A perseverança dos santos está diretamente ligada à santificação, que é o processo pelo qual o Espírito Santo torna os eleitos cada vez mais semelhantes a Jesus Cristo em tudo o que fazem, pensam e desejam. A luta dos crentes contra o pecado dura toda a vida e, às vezes, eles podem cair em tentações e cometer graves pecados, mas esses pecados não os levam a perder a salvação ou a afastar-se de Cristo.A Bíblia diz que o povo de Deus recebe a vida eterna no momento em que crê. São guardados pelo poder de Deus mediante a fé e nada os pode separar do Seu amor. Foram selados com o Espírito Santo que lhes foi dado como garantia de sua salvação e, desta forma, estão assegurados para uma herança eterna.
REFERÊNCIAS BÍBLICAS: Is 54:10 / Jr 32:40 / Mt 18:14 / Jo 6:39; Jo 6:51; Jo 10:27-29 / Rm 5:8-10; Rm 8:28-32, Rm 8:34-39; Rm 11:29 / Gl 2:20 / Ef 4:30 / Fp 1:6 / Cl 2:14 /2Ts 3:3 / 2Tm 2:13,19 / Hb 7:25; Hb 10:14 / 1Pe 1:5 / 1Jo 5:18 / Ap 17:14
Fonte: Eleitos de Deus

sábado, 14 de janeiro de 2012

Por que existem falsos profetas nas igrejas?


Não pregamos segundo o homem




O nosso evangelho nos ensina que o homem precisa nascer de novo, e que sem o novo nascimento ele estará perdido para sempre, ao passo que, com ele, obterá salvação eterna. O nosso evangelho não oferece desculpa ou cobertura para o pecado, porém o condena completamente. Não apresenta perdão, exceto através da expiação, e não oferece segurança nenhuma para o homem que abriga qualquer pecado dentro de si. Cristo morreu pelo pecado, e nós precisamos morrer para o pecado, ou morreremos eternamente. Se formos pregar o evangelho com fidelidade, então devemos também pregar a Lei. Não se pode pregar plenamente a salvação mediante o Senhor Jesus Cristo, sem colocar o Sinai como pano de fundo e o Calvário na frente. Os homens precisam sentir a malignidade do pecado, antes que possam apreciar o grande sacrifício que é o ápice e o cerne do nosso evangelho. Isso não é agradável para esta ou qualquer outra época; por conseguinte, eu tenho certeza que não foi inventado por homem algum.

Sabemos que o evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo não é "segundo os homens" porque o nosso evangelho é tão apropriado para os pobres e iletrados. Os pobres, de acordo com sistema dos homens, são ignorados. O parlamento tem cercado todas as áreas livres, de maneira que um homem pobre não pode manter sequer uma ave. Não duvido que, se fosse viável e eficaz, logo teríamos notícia de uma concorrência para distribuir títulos de posse das estrelas entre certos senhores de renome. É evidente que há propriedades excelentes nas regiões celestiais que ainda não se encontram registradas nos cartórios da terra. Bem, seria mais fácil noticiar o sol, a lua, e as estrelas do que o evangelho do Senhor Jesus. Este é o terreno do homem pobre. "Aos pobres é pregado o evangelho". No entanto, não são poucos os que desprezam um evangelho que os pobres podem ouvir e compreender; e podemos ter certeza que o evangelho simples não veio deles, pois a sua inclinação não pende para essa direção. Eles querem algo obscuro, ou, como eles dizem, "reflexivo". Acaso não ouvimos este tipo de comentário: "Nós somos intelectuais, e precisamos de um ministério culto. Esses pregadores evangelistas, servem muito bem para assembléias populares, mas nós sempre fomos seletos, e requeremos aquela pregação que está em dia com os tempos atuais"? Sim, sim, e a escolha deles será alguém que não vai pregar o evangelho, a não ser de uma maneira nebulosa; pois se ele realmente proclamar o evangelho de Jesus, os pobres com certeza se farão presentes, e espantarão os grã-finos.

Irmãos, nosso evangelho não tem nada com alto e baixo, rico ou pobre, negro e branco, culto ou inculto. Se faz alguma diferença, ele prefere os pobres e oprimidos. O grande Fundador diz: "Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos". Louvamos a Deus que escolheu as coisas simples, e as desprezadas. Eu ouço que o ministério de um homem tem sido elogiado - embora sua congregação esteja diminuindo gradualmente -pois tal homem tem feito um grande trabalho entre os jovens intelectuais. Confesso que não creio na existência de tais jovens intelectuais; tenho visto que aqueles que se enganam com coisas assim, geralmente podem ser conside­rados mais presunçosos do que intelectuais. Os homens jovens são todos muito bons, como também as jovens mulheres, e mesmo as mulheres idosas; mas eu fui enviado para pregar o evangelho a toda criatura, e não posso limitar-me aos jovens intelectuais. Eu certifico-lhes que o evangelho que tenho pregado não é "segundo os homens", pois desconhece a seleção e exclusividade, porém, valorizo a alma do var­redor ou do lixeiro tanto como a do primeiro ministro ou a da sua majestade, a rainha.

Finalmente, temos certeza que o evangelho pregado por nós não é "segundo os homens" porque eles não o levam em consideração. Ele é combatido até hoje.

Se existe algo amargamente odiado, é o puro evangelho da graça de Deus, especialmente se for mencionada a detestável palavra "soberania". Atreva-se a dizer: "Ele terá misericórdia de quem tiver misericórdia, e Ele terá compaixão de quem tiver compaixão," e os críticos furiosos vão lhe revidar sem se pouparem. O religioso moderno não só odeia a doutrina da graça soberana, mas ele ruge e se enfurece só em ouvi-la mencionada. Na verdade, ele preferiria ouvir alguém blasfe­mar a ouvi-lo pregar a eleição pelo Pai, expiação pelo Filho, e regeneração pelo Espírito Santo. Se quiser ver um homem transtornado até que o satânico predomine, deixe que alguns dos neófitos eclesiásticos ouçam você pregar um sermão sobre a livre graça. Um evangelho "segundo os homens" será bem vindo pelos homens; porém, precisa de uma operação divina no coração e na mente para tornar um homem disposto a receber, no fundo de sua alma, este indigesto evangelho da graça de Deus.

Meus queridos irmãos, não tentem fazer o evangelho aceitável às mentes carnais. Não escondam a ofensa da cruz ou vocês a tornarão sem efeito. Os ângulos e os cantos do evangelho são sua força, privá-lo destes é tirar o seu poder. Disfarçá-lo não é aumentar sua força, e sim, levá--lo à morte. Ora, mesmo entre as seitas, vocês já devem ter notado que seus pontos distintivos são os braços de seu poder, e quando esses pontos são praticamente omitidos a seita perde seu poder. Aprendam, então, que se tirarem Cristo do cristianismo, o cristianismo estará morto. Se removerem a graça do evangelho, o evangelho deixa de existir. Se as pessoas não gostam da doutrina da graça, dê-lhes isso intensamente. Mesmo quando os opositores reclamam sobre um certo tipo de arma, um poder militar sábio proverá muito mais dessa espécie de artilharia. Um grande general, aproximando-se de seu rei tropeçou em sua própria espada. "Eu vejo", disse o rei, "sua espada está lhe atrapalhando". O guerreiro respondeu: "Os inimigos de sua majestade freqüentemente sentem o mesmo". O fato de nosso evangelho ofender os inimigos do Rei não nos entristece.

Queridos amigos, se realmente não recebemos nosso evangelho de homens mas de Deus, então continuemos recebendo a verdade através do divinamente designado canal da fé . Porventura têm certeza que um dia realmente entenderão a Palavra de Deus? Para a maioria de nós o entendimento é como um estreito portão de entrada para a "cidade da Alma Humana", e as grandes coisas de Deus não podem ser dimi­nuídas para poderem passar por aquela entrada. A porta não é bastante larga. Todavia, nossa cidade tem um grande portão chamado fé, através do qual até o infinito e o eterno podem ser admitidos. Pare com este esforço inútil de trazer à mente, pela razão, aquilo que tão facilmente pode habitar em você pelo Espírito Santo através da fé.

Nós que falamos contra o racionalismo somos inclinados a ser demasiadamente racionais; e não há nada tão irracional quanto esperar receber as coisas de Deus através da razão. Creiamos nelas através do testemunho divino, e quando elas nos provarem ou mesmo parecerem ofender nossa sensibilidade humana, ainda assim que as recebamos por serem divinas. Não devemos opinar sobre o que deve ser a verdade de Deus; temos que aceitá-la como Deus a revela.

A seguir, que cada um de nós aguarde oposição se ele receber a verdade do Senhor, e especialmente oposição de uma pessoa que é próxima e querida por ele - a saber - ele mesmo. Há um velho homem que ainda vive, e que não é um amante da verdade, mas, pelo contrário, ele é um parceiro da falsidade. Ouvi um policial dizer que quando esteve em Trafalgar Square, e uns sujeitos desprezíveis o agrediam, assim como a outro policial, ele sentia um osso do velho homem mexendo dentro dele. Ah, sentimos esse osso muito freqüentemente! A natureza carnal se opõe à verdade, pois ela não está reconciliada com Deus, e nem, na verdade, poderia estar. Oremos ao Senhor para vencer nosso orgulho, para que a verdade nos domine, apesar de nosso coração mau. Quanto à oposição do mundo exterior, não devemos estar alarmados com os fatos, pois fomos ensinados a aguardá-los. Agora as oposições não nos preocupam. O capitão de um navio não se importa se um borrifo d’água cair sobre ele.

Lembre-se, se você não recebeu a verdade senão pelo poder do Espírito de Deus, não pode esperar que os outros a recebam. Eles não crerão em seus relatos a não ser que o braço do Senhor lhes seja revelado. Mas depois, se a fé for operada pelo Espírito Santo, não precisamos temer que os homens possam destruí-la. Aqueles que tentarem mudar a nossa crença bem podem ter dúvidas quanto ao seu sucesso nessa proeza! Se a fé for operada divinamente em nossas almas, podemos vencer todos os sofismas, elogios, tentações e ameaças. Seremos divinamente obstinados; aqueles que tentarem nos perverter terão de desistir. Possivelmente eles nos chamem de fanáticos, ou intolerantes, ou mesmo idiotas; mas isso significa pouco se nossos nomes esti­verem escritos no céu.

Em conclusão podemos deduzir do nosso texto que se estas coisas nos vierem da parte de Deus, podemos descansar completamente nelas. Se elas vieram de homens, provavelmente nos falharão em meio a uma crise. Você alguma vez confiou em homens sem ter se arrependido antes mesmo que o sol se pusesse? Alguma vez você se apoiou num braço de carne sem descobrir que os melhores dos homens são apenas homens no melhor dos casos? Mas se estas coisas vem de Deus elas são eternas e totalmente suficientes. Podemos viver e morrer confiando no evangelho eterno. Vamos viver mais e mais com Deus, e com Ele somente. Se temos recebido luz dEle há mais bênçãos a serem alcançadas. Vamos àquele Mestre para aprendermos mais das coisas profundas de Deus. Creiamos corajosamente no sucesso do evangelho que temos recebido. Cremos nele, creiamos por ele. Não nos desesperaremos embora a Igreja visível, como um todo, possa apostatar. Quando os invasores cercaram Roma, e toda a região ficou à mercê deles, um terreno estava à venda, e um romano o comprou por um valor justo. O inimigo estava lá, mas ele seria desalojado. Talvez o inimigo destruísse o Estado romano. Deixe-o tentar! Tenha você a mesma firmeza. O Deus de Jacó é o seu refúgio, e ninguém pode resistir Seu eterno poder e deidade. O evangelho eterno é nossa bandeira, e com Jeová para sustentá-lo, nosso padrão nunca baixará. No poder do Espírito Santo a verdade é inven­cível. Venham, hostes do inferno e exército do inimigo! Que a sutileza, a destreza, o raciona­lismo e o sacerdócio façam o pior que puderem!

A Palavra do Senhor dura para sempre -aquela mesma Palavra a qual pelo evangelho é pregada entre os homens.
 
Charles H. Spurgeon
[Via]

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

[Os Meios da Graça] Oração (1)



O que significa oração? É um dos meios pelos quais o crente cultiva um vivificante relacionamento com o Deus vivo. A oração é indispensável na devoção pessoal. Envolve conversar e ter comunhão com Deus. Nesta comunhão, apresentamos a Deus nossos desejos íntimos. A oração assemelha-se a conversar com Deus “face a face”. O Antigo Testamento apresenta numerosos exemplos: Gênesis 18.23, ss.; Êxodo 5.22, 6.1,10,12,28-30; Deuteronômio 3.23-26; Salmo 27.8. O Novo Testamento apresenta um sumário da oração em Atos 13.1-2. Pedir a Deus as boas coisas que Ele tem prometido aos seus filhos é uma parte vital da oração (Mt. 7.7,11; Lc 11.5-13; Cl 1.9-12; Tg 1.5-6). De acordo com Filipenses 4.6-7, a oração é uma chave para que o crente experimente a paz de Deus. Ela é também um meio que facilita a nossa rendição à vontade de Deus (ver o exemplo do Senhor Jesus em Mateus 26.39,42,44).
A oração é um dos meios pelos quais o crente cultiva um vivificante relacionamento com o Deus vivo.
Existem várias partes na oração. Ela pode incluir um ou mais destes aspectos: adoração e louvor, ação de graças, confissão de pecados, súplica, intercessão e entrega de nós mesmos a Deus.
De acordo com Efésios 6.18 e Judas 20, a oração deve ser feita no Espírito. O Espírito Santo é Aquele que ajuda o crente a orar. Ele testifica ao espírito do crente que ele é filho de Deus, levando-o a clamar: “Aba, Pai” (Rm 8.15; Gl 4.6). O Espírito Santo impulsiona o crente a orar, trazendo à sua mente as palavras e promessas de Jesus. Ele também inflama nossos corações em benefício dos outros (Rm 10.1; cf. 9.1-2). Portanto, quando você não sentir desejo de orar, peça ao Espírito Santo que o ajude a envolver-se na oração.
Cristo ofereceu ao seu povo um modelo para ajudá-los na oração. Em geral, tem sido chamada de “Oração do Pai Nosso” e se encontra em Mateus 6.9-13 e Lucas 11.1-4. Este modelo de oração não foi dado com o propósito de ser repetido, como um ritual, quer em particular, quer em público. Recitar esta oração não remove nossa obrigação de orar. Cristo a ensinou para que os crentes saibam como orar adequadamente. Há seis petições nesta oração: as três primeiras estão relacionadas às prioridades de Deus, as três últimas vinculam-se às nossas necessidades. Nesta oração-modelo, o Senhor Jesus nos ensina que, antes de suplicar por nossas necessidades, temos de orar pelas prioridades divinas.

Você pode ler o resto deste artigo aqui.

Earl Blackburn © Editora Fiel 2006 – 2011 | Fonte: revista Fé para Hoje | editorafiel.com.br Disponibilizado por: monergismo.com

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Indesculpável


http://www.acheivoltaredonda.com/imagens/papel_gr/paisagem_001.jpg

Rom 1:20 Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são por isso, indesculpáveis.

Muitas pessoas querem provas de que Deus existe e de que também Jesus viveu realmente entre nós, sendo Deus, (Jo 10:30), mas é tão simples entender se realmente existe Deus, e de que forma podemos ter certeza disso, em primeiro lugar a bíblia (Jo 5:39). Logo penso no versículo em romanos, mesmo que as pessoas não queiram acreditar nele através das escrituras, e assim através da vida espiritual de que Deus e Cristo sempre existiram desde antes da criação, basta olhar no horizonte e contemplar mesmo que sem entendimento, a glória de Deus.

Ninguém terá desculpas de não acreditar nele, porque sua criação antecede sua apresentação, para aqueles que não anseiam em conhecê-lo, ou será que o mar em sua grandiosidade, foi encerrado ate onde chegaria por si próprio, (Jó 38:8), ou contemplar um por do sol, em meio as cores indescritíveis da mistura do final do dia e da chegada da noite (Jó 38:9), muitas vezes misturadas com uma visão quase infinita do oceano, dando ideia do que é a eternidade aos nossos pobres olhos carnais, quando ainda não acreditam no Criador, será que foram criada pelo homem?

Partes de terra cercadas por água, árvores, toda natureza gerida de forma inacreditável, desde o simples pairar no ar de um beija-flor, que fica paralisado no ar, tamanha perfeição de seu voo, se o homem natural não ama as coisas de Deus, mesmo assim ele é indesculpável por não acreditar Nele, tamanhas são as provas da criação, minuciosamente planejadas, de maneira impossível de imaginar que a maioria das vezes os olhos das pessoas contemplam mas não entendem, nos acostumamos com a criação, mas continuamos sem entender e amar o Criador.

Quanto mais fácil seria admirar toda criação e entender que o mesmo Deus que criou tudo isso de forma perfeita e planejada, entregou seu único e amado Filho, para que pudéssemos ter livre acesso a ele novamente, entendendo que seu amor por nos não se baseou somente em criar um planeta que pudéssemos usufruir e habitar, mas o criou para que entendêssemos que devemos glorificá-lo acima de tudo em nossas vidas, e que nunca deveríamos amar mais a criação do que o Criador, esse foi e ainda é nosso maior engano,  de que tudo que Ele fez, foi feito para nossas próprias motivações de prazer equivocadas e mesquinhas.

Tudo, eu disse tudo, foi feito por Ele e para Ele,(Rom11:36), porque somente Ele é digno de toda honra, gloria e louvor, que nossa liberdade não se transforme em libertinagem, achando que podemos fazer o que quisermos, porque bem é verdade que, todas as coisas nos são licitas, mas nem todas convém. Podemos todas as coisas, mas nem todas nos edificam.

Que possamos entender que fazemos parte de um mesmo corpo, que é Cristo, onde cada membro tem uma função especifica, mas que precisa estar em conjunto com as outras partes ajustado de maneira correta e assim realmente promover a edificação ao corpo,sempre pensando em benefícios ao corpo e não em sua parte própria especifica.

Glorias a Deus.

Guinho 

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

A vocês a provisão de hora em hora



Somos "povo seu e ovelhas do seu pasto". Deus não tem nos deixado e ido embora. Ele não tem nos deixado como a avestruz deixa seus ovos, para serem quebrados pelos pés dos que passam. Ele está cuidando de nós a toda hora; assim como um pastor cuida de seu rebanho. Sobre todos nós Ele exerce um cuidado contínuo, uma providência vigilante, e por isso deveríamos louvá-lO diariamente.
 
Tem sido bem expresso que algumas pessoas têm a visão de Deus como Alguém que, tomando o universo como um relógio, deu-lhe corda, colocou-o debaixo do travesseiro e foi dormir; mas esse não é o caso. O dedo de Deus está sobre toda roda da maquinaria do mundo; o poder de Deus é aquilo que dá força a todas as leis do universo, seriam meras leis sem força se Ele não estivesse poderosamente ativo para todo o sempre.
 
Deus nos dá dia após dia o nosso pão diário. Deus nos veste; Ele dá respiração aos nossos pulmões ofegantes, e sangue aos nossos corações que pulsam; Ele nos mantém vivos, e se Seu poder fosse retirado, cairíamos mortos imediatamente. Portanto, devido ser assim, somos obrigados a prestar serviço diariamente ao nosso grande Pastor.
 
Vocês são as ovelhas de Sua mão; a vocês a provisão de hora em hora, a vocês a proteção contínua, a vocês o governo sábio e judicioso, a vocês a liderança real através do deserto até os pastos além do Jordão, a vocês o poder que faz fugir o lobo, a vocês a habilidade para encontrar pastos no deserto, a vocês aqueles sublimes confortos que vêm da presença do anjo remidor, e que fluem do próprio fato de que Ele é seu. Portanto, prestem homenagem ao Senhor e louvem-nO. 
 
Homens, visto que são homens, adorem ao Senhor que os mantém vivos; mas homens santos, renovados e alimentados dos tesouros da graça divina, sirvam ao seu Deus, rogo-lhes, de todo o coração, de toda a alma e de todas as forças, pois vocês em particular são as ovelhas de Seu pasto e o povo de Sua mão redentora.

Charles H Spurgeon

[Via]

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Entrevista com Dr. Martyn Lloyd Jones


domingo, 8 de janeiro de 2012

Deus Espírito Santo



Temos recebido o Espírito Santo? Ele está conosco agora? Se esse é o caso, como podemos ter certeza de sua presença no futuro? Como podemos compeli-lo a habitar em nós?
 
Primeiro, trate-o como deve ser tratado. Adore-o como o Senhor Deus digno de adoração. Nunca trate o Espírito Santo como se fosse um objeto, nem fale dele como se fosse uma doutrina, uma influência ou um mito ortodoxo. Reverencie o Espírito, ame-o, e creia nele com confiança familiar, porém reverente. Ele é Deus,deixe-o ser Deus para você.
 
Aja em conformidade com a obra dele. O marinheiro que vai para o leste não pode criar os ventos a seu bel-prazer, mas ele sabe quando os ventos alísios sopram e aproveita a estação para imprimir velocidade a sua embarcação. Saia ao mar em santo empreendimento quando o vento celestial está a seu favor. Aproveite a maré sagrada enquanto ela avança. Aumente suas reuniões quando sente que o Espírito de Deus as abençoa. Insista na verdade com mais veemência que nunca, quando o Senhor abre ouvidos e corações para aceitá-la. Você logo aprenderá a conhecer quando há orvalho em volta--valorize a graciosa visitação. O fazendeiro diz: "Trabalha enquanto é dia". Você não pode fazer o sol brilhar; isso está completamente fora de seu alcance; mas você pode usar o sol enquanto brilha. "Assim que você ouvir um som de passos por cima das amoreiras, saia rapidamente" (2Sm 5.24). Seja diligente na estação e fora dela, mas em uma estação cheia de vida seja duplamente laborioso.
 
Sempre ao começar, continuar e terminar qualquer e toda boa obra, dependa conscientemente e em verdade do Espírito Santo. Até a consciência de sua necessidade dele, ele precisa lhes dar, e as orações com que suplicam por sua presença devem partir dele. Vocês estão empenhados em um trabalho tão espiritual, tão acima de todo poder humano que esquecer-se do Espírito é certeza de derrota. Façam o Espírito Santo ser o sine qua non de seus esforços, e digam a ele: "Se não fores conosco, não nos envies" (Êx 33.15).
 
Descansem apenas nele e reservem para ele toda a glória. Lembrem-se especialmente disso, porque esse é um ponto delicado para ele: ele não dará sua glória a outro. Tenham o cuidado de louvar o Espírito de Deus do fundo do coração, e gratamente se admirem de que ele aceite trabalhar a seu lado. Agradem-no ao glorificar Cristo. Honrem-no ao ceder sua pessoa aos impulsos dele e ao odiar tudo que o entristece. A consagração de todo seu ser é o melhor salmo que pode fazer em louvor dele.
 
Há algumas coisas de que gostaria que se lembrassem, depois termino. Lembrem-se, o Espírito Santo tem seus meios e métodos, e há algumas coisas que ele não fará. Lembrem-se, ele não faz nenhuma promessa de abençoar acordos. Se fizermos acordo com o erro ou o pecado, é por nossa conta e risco. Se fazemos qualquer coisa sobre a qual não temos clareza, se manipulamos a verdade ou a santidade, se somos amigos do mundo, se fazemos provisão para carne, se pregamos com desânimo ou fazemos pacto com engana-dores, não temos nenhuma promessa de que o Espírito Santo está conosco. A grande promessa vai em outra direção: "'Saiam do meio deles e separem-se', diz o Senhor. 'Não toquem em coisas impuras, e eu os receberei e lhes serei Pai, e vocês serão meus filhos e minhas filhas', diz o Senhor todo-poderoso" (2Co 6.17,18).
 
No Novo Testamento apenas em um único lugar, com exceção do Livro de Apocalipse, Deus é chamado de "Senhor todo-poderoso" (2Co 6.18). Se você quer saber que grandes coisas o Senhor pode fazer como Senhor Todo-Poderoso, separe-se do mundo e daqueles que apostatam da verdade. O título "Senhor todo-poderoso" é citado do Antigo Testamento. "El Shaddai", Deus Todo-suficiente, o Deus de muitos ventres. Não conheceremos o poder supremo de Deus para suprir todas nossas necessidades até que cortemos de vez a ligação com tudo que não está de acordo com a mente dele.
 
Abrão foi grande quando disse ao rei de Sodoma: "Não aceitarei nada"--, uma veste babilônica ou uma cunha de ouro? Não, não. Ele disse: "Não aceitarei nada do que lhe pertence, nem mesmo um cordão ou uma correia de sandália" (Gn 14.23). Esse foi o "corte pela raiz". O homem de Deus não aceita ter nada com Sodoma nem com a falsa doutrina. Se você vir qualquer coisa má, corte-a pela raiz. Afaste-se daqueles que afastaram a verdade. Então você está preparado para receber a promessa, não antes disso. 
 
Irmãos amados, lembrem-se, onde houver grande amor, com certeza, haverá grande ciúme. "Amor é tão forte quanto a morte" (Ct 8.6). O que vem em seguida? "O ciúme é tão inflexível quanto a sepultura". "Deus é amor" (1Jo 4.8,16) e exatamente por essa razão "o SENHOR, o seu Deus, é Deus zeloso; é fogo consumidor" (Dt 4.24). Passe longe de tudo que contamina ou entristece o Espírito Santo; pois se ele estiver aborrecido conosco, logo passaremos vergonha diante do inimigo. 
 
Charles H. Spurgeon

[Via]

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

O Melhor Perfume


http://airuma.files.wordpress.com/2011/06/dscn9171.jpg


2 CO 2:15-Porque nós somos para com Deus o bom perfume de Cristo, tanto nos que são salvos como nos que se perdem.
 
O cristão deve ser o verdadeiro perfume, para todos, quando usamos perfumes bons, sua fragrância fica absolutamente presente no nosso olfato, independente de gosto, se é prazeroso ou não, se é o cheiro que mais agrada, mas ele fica inconfundivelmente marcado, para todos , é assim que o cristão deve proceder, ser esse aroma inesquecível de Cristo, tanto para os que creem, quanto aos que não acreditam, devemos estar dispostos a contagiar os lugares onde passarmos, com essa fragrância.
 
Porém pelas próprias forças e esforços é impossível ao homem natural (2 Co 2:16), é necessário viver debaixo da influencia do Espírito Santo, somente ele é capaz de deixar o verdadeiro aroma, por onde passar, nos afastando de querer enganar ou vender o aroma, prometendo coisas que a verdadeira fragrância jamais pensou em transmitir, sendo sinceros e verdadeiros, tendo ciência de tudo o que realmente essa fragrância quer revelar, pensando em um perfume que tem um cheiro inconfundível, por ser feito “original”, e não nas cópias falsificadas que mantém o perfume por pouco tempo, prometendo resultados e não cumprindo, é assim que o verdadeiro cristão deve ser, nunca querer transmitir um falso evangelho, desviando da verdade na vida das pessoas, de seu estado pecaminoso, e que sem Cristo, estão caminhando a passos largos em outra direção que não é a mesma da salvação, substituindo toda obra da cruz, por desejos naturais próprios do homem, e não do Espírito,
 
Sendo cientes que esse aroma não será muitas vezes apreciado, pelo contrario terá um cheiro desprezado e sem valor, por aqueles que se perdem, mas nem por isso devemos deixar de demonstrá-lo, pelo amor que devemos almejar ter pelo próximo, será muitas vezes cheiro de morte para quem já está morto, nunca o cristão deve distorcer a verdade, porque aquele que realmente ama ensina a verdade, e esta verdade é o evangelho de Cristo (Gl 1:8), que tenhamos o discernimento necessário para não distorcer a verdade a custa de não magoar as pessoas, porque mais vale hoje pessoas que nos odeiem e que vão para o céu, do que nos amem e morem no inferno.
 
Todo aquele que quer estar perfumado com o melhor aroma diante de Deus, só conseguira com o conhecimento de Cristo através das escrituras, da mesma maneira que o melhor perfume dura por  muito tempo, quanto maior a fragrância de conhecimento em nossos corações será mais fácil as pessoas conseguirem sentir todo esse aroma em nossas vidas.

Que esse perfume seja suave as olhos e corações das pessoas, porque quem realmente o efetua tanto o querer como fazer (Fp 2:13), para que possa ser glorificado através de nossas vidas, buscando ficarmos cada vez mais cheios desse perfume através do operar do Espírito Santo em nossas vidas!

Glorias a Deus

Guinho

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Criador X Criatura


https://lh6.googleusercontent.com/_rXLCLdWy7KI/TcHwH6ElUWI/AAAAAAAACpw/oGp_msxOgd8/Come_with_my_colored_me__Vy____by_suthnmeh.jpg


Imagine se você fosse uma pessoa extremamente inteligente, a sabedoria é o seu sobrenome, você possui muito conhecimento, domínio, astúcia, as melhores e mais nobres qualidades que conhecemos fazem parte de sua vida.

Aí dentro de infinita sabedora você resolve criar algo novo, um robô que consegue pensar, tomar decisões, ter sentimentos a exata imagem e semelhança sua. Você programa esse novo ser com tudo aquilo que ele teria que fazer para ter uma vida em harmonia, você coloca em sua memória todas as regras morais que vão levá-lo ao caminho correto, e possuir plena alegria.

Mas, quando você aciona o seu novo invento ele simplesmente não obedece as regras que você decidiu que ele seguisse, pois você optou por algo novo, queria que ele tomasse decisões e fizesse suas escolhas. A sua criação te ignora, não quer mais saber dos seus conselhos e de andar contigo. Quer uma vida nova, quer ser livre, quer ter suas próprias normas e leis.

Mas você na sua grande sabedoria previu tudo isso e criou um botão de autodestruição.

O que você faria? Como você reagiria? Qual seria o seu sentimento?

Não sei se algum ser humano conseguiria não destruir a sua própria criação. É a resposta óbvia, acabar com o ser imperfeito que criamos e tentar aprimorar.

Em uma rápida analise já dá pra imaginar como Deus se sente quando simplesmente ignoramos os mandamentos do nosso criador, apenas imaginamos, pois nós nunca entenderemos. Somos orgulhosos por natureza, de cara o orgulho de ser o criador e imaginar a "nossa criação" agindo contra o que determinamos já vem a tona. Mas esse sentimento não existe da parte Dele, pois Deus não é e nunca será orgulhoso.

O que fazemos, nós como criaturas? Continuamos a viver do nosso jeito e fazemos de conta que nunca fomos criados por ninguém, que somos um acidente cósmico evolutivo?

A maior prova de que fomos realmente criados por Deus é a moral que temos gravado em nossos corações. Existem estudos que comprovam que independente da cultura, região, educação entre outros motivos, todos os povos, até mesmo os povos mais antigos, possuem o mesmo padrão moral, divergem em poucas características, mas os padrões básicos sempre aparecem.

Alguns podem argumentar que é instinto, mas nós seres humanos não controlamos os nossos instintos eles apenas exitem. As decisões morais são tomadas a partir da nossa escolha, mas em nosso íntimo sempre sabemos o caminho correto.

Por exemplo o nosso instinto sexual, não posso controlá-lo da maneira que bem entendo, apenas escolho como vou lidar com ele, e isso é uma decisão moral, posso usá-lo da maneira que agrada a Deus dentro do meu casamento e com isso ser plenamente satisfeito ou posso deturpá-lo e usá-lo para minha satisfação pessoal sem pensar nas consequências morais que isso podem acarretar, poderia sair abusando sexualmente de várias mulheres, mas eu claramente saberia que isto é errado, mesmo que nunca alguém tivesse me ensinado que isso não é correto. Essa é a lei da nossa natureza humana, ou simplesmente nossa moral.

Hebreus 8:10 Porque esta é a aliança que depois daqueles dias Farei com a casa de Israel, diz o Senhor; Porei as minhas leis no seu entendimento, E em seu coração as escreverei; E eu lhes serei por Deus, E eles me serão por povo; 
Outra clara evidência de Deus é o fato de que somos os únicos seres "pensantes", temos alma, somos racionais. Que acidente cósmico seria esse que em todos os planetas conhecidos, em todas as inúmeras espécies de criaturas viventes no nosso próprio planeta seríamos os únicos racionais? Tem que ter muita fé pra crer nisso.

Então existem apenas duas alternativas, ou admitimos que fomos criados e com isso procuramos entender o nosso propósito, procuramos ter um relacionamento com nosso criador e com isso vivemos uma vida com sentido, sabendo por quais motivos estamos aqui e conhecemos os planos do nosso criador para o nosso futuro, ou vivemos da nossa maneira, com várias incertezas, sem saber o que vai acontecer depois, buscando algo que nunca será encontrado, pois esse vazio só ELE preenche.

Eu já fiz a minha escolha, faça a sua.

E como eu me reconcilio com meu criador? Através de Jesus. Não há outro caminho.

João 14:6 Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
 
E como sei que o cristianismo é a "religião" de Deus? Poderia dar diversas respostas através da fé e da Palavra de Deus, mas para e pense um pouco, qual ser humano inventaria o cristianismo? O cristianismo prega amar seus inimigos, amar o próximo como a nós mesmos, prega morrer para os nossos desejos, abrir mão das nossas vidas, buscar apenas o Reino de Deus e o restante Deus acrescenta. Quem inventaria algo assim? Nós queremos apenas satisfazer os nossos desejos, independente do custo que isso terá, não estamos preocupados com os outros, apesar de nossa moral nos acusar que isso é errado e o Evangelho é justamento o oposto disso, diz o tempo todo que somos pecadores, que precisamos nos arrepender, que precisamos de ajuda para nos salvar, e essa ajuda veio, só precisamos crer.

Enfim Jesus é a nossa ponte para Deus. A grande maioria está pagando pra ver, e chegará um momento onde todos nós vamos ver, espero que você esteja do lado certo.

Deus nos abençoe.

Fernando.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Leonard Ravenhill e Carter Conlon - Acorde Igreja


George Whitefield - by Steve Lawson


terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Evangelho da Prosperidade: é isso o sal da terra?


segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Nos Divertindo até a Morte!


Mais santidade de Vida




Co-participantes da natureza divina. '
2 Pedro 1.4

Evidentemente, ser um participante da natureza divina não significa tornar-se Deus. Isto é impossível. A criatura não pode ser participante da essência da Divindade. No que diz respeito à essência, tem de haver um abismo entre a criatura e a Divindade. O primeiro homem, Adão, foi criado à imagem de Deus; assim também nós, por intermédio da regeneração do Espírito Santo, somos criados, em um sentido divino, à imagem do Altíssimo, tornando-nos participantes da natureza divina. Somos, pela graça, feitos como Deus. "Deus é amor"; "e todo aquele que ama é nascido de Deus" (1 João 4.16, 7).

Deus é verdade; tornamo-nos verdade e amamos aquele que é verdade. Deus é bom e nos torna bons por sua graça, de modo que nos tornamos os limpos de coração que verão a Deus (ver Mateus 5.8). Ainda mais, tornamo-nos "co-participantes da natureza divina" num sentido ainda mais elevado que este — de fato, num sentido tão sublime quanto pode ser imaginado, quase que absolutamente divinos. Não nos tornamos membros do corpo divina pessoa de Cristo?

O sangue que corre na cabeça é o mesmo que corre nas mãos. A vida que se manifesta em Cristo é a mesma que vivifica o seu povo, "porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus" (Colossenses 3.3). E, se isto não é o bastante, estamos casados com Cristo. Ele nos desposou para Si mesmo, em justiça e fidelidade; e aquele que está unido ao Senhor é um com Ele. Oh! que mistério admirável! Perscrutamos este mistério, mas quem pode compreendê-lo? Um com Jesus — tão unidos a Ele, que o galho de uma videira não pode estar mais unido ao seu tronco como nós fazemos parte do Senhor Jesus, nosso Redentor e Salvador! Enquanto nos regozijamos neste fato, lembremos que todos os co-participantes da natureza divina manifestarão este relacionamento santo e elevado em sua comunhão com os outros. Por meio do falar e do comportamento deles, ficará evidente que escaparam da corrupção das paixões que há no mundo (ver 2 Pedro 1.4). Oh, que tenhamos mais santidade de vida!

Charles H. Spurgeon

[Via]