quinta-feira, 13 de maio de 2010

Nossa vergonha e nosso tesouro



Os paradoxos da vida que exaltam a Cristo

Uma vida dedicada a magnificar Cristo é de grande custo. E o custo é tanto uma conseqüência como um meio de engrandecê-lo. Se não abraçamos o caminho do amor carregado de alegria, do amor doloroso, desperdiçaremos nossa vida. Se não aprendemos com Paulo os paradoxos da vida que exaltam a Cristo, desperdiçaremos nossos dias perseguindo bolhas que estouram. Ele viveu "entristecido, mas sempre alegre; pobre, mas enriquecendo a muitos; nada tendo, mas possuindo tudo" (2Co 6.10). A estrada do Calvário é cara, e dolorosa, mas não lhe falta alegria.

Quando abraçarmos com alegria o custo de seguir a Cristo, o valor dele brilhará no mundo. O apóstolo Paulo tinha uma grande paixão na vida. Nós já o vimos dizê-la de várias formas: nada saber senão Cristo e ele crucificado (ICo 2.2); gloriar-se apenas na cruz (Gl 6.14).

A paixão única de Paulo na vida e na morte

Ele falou sobre sua grande paixão de outro modo que nos mostra como o custo de engrandecer a Cristo é também o meio. Ele disse à igreja filipense: é "a minha ardente expectativa e esperança que em nada serei envergonhado; antes, com toda a ousadia, como sempre, também agora, será Cristo engrandecido no meu corpo, quer pela vida, quer pela morte. Porquanto, para mim, o viver é Cristo e o morrer é lucro." (Fp 1.20,21) Aqui a pergunta é feita e respondida. Como se honra Cristo pela morte? Como pode o custo de perder tudo neste mundo ser um meio de exaltar a Jesus? Ouçamos Paulo cuidadosamente. Cristo nos chamou para viver para sua glória e morrer para sua glória. Se soubermos como morrer bem, sabe¬remos como viver bem. Esse texto mostra ambas as coisas.

Novamente vemos a paixão única de Paulo na vida - "será Cristo engrandecido no meu corpo, quer pela vida, quer pela morte". Se Cristo não é engrandecido em nossa vida, ela é jogada fora. Nós existimos para fazê-lo aparecer no mundo como ele realmente é - magnifícente. Se nossa vida e morte não mostram o valor e maravilha de Jesus, são desperdiçadas. É por isso que Paulo disse que seu alvo na vida e na morte era "que... Cristo... fosse honrado".

Nossa vergonha e nosso tesouro

Note o modo incomum como ele esclarece isso no versículo 20: "E mi¬nha ardente expectativa e esperança... que em nada serei envergonhado". Pare aí um momento. Vergonha é aquele sentimento terrível de culpa ou fracasso quando você não corresponde, e isso diante das pessoas cuja aprovação você almeja fortemente. É o que a criancinha sente no programa do Natal quando esquece as frases que deve falar, e as lágrimas lhe enchem os olhos, e o silêncio parece eterno, e as outras crianças dão risadinhas brutalmente. Eu me lembro dessas vezes horríveis. Ou vergonha é o que um presidente sente quando as fitas secretas são finalmente ouvidas, e a linguagem feia e todo o engano é exposto, e ele está ali desonrado e culpado diante das pessoas.

O que é, então, o oposto de vergonha? É quando a criança se lembra das frases e ouve o aplauso. É quando o presidente governa bem e é reeleito. O oposto de ser envergonhado é ser honrado. Sim, geralmente. Mas Paulo era uma pessoa muito fora do comum. E os cristãos devem ser pessoas bem fora do comum. Para Paulo, o oposto de ser envergonhado não era ele ser honrado, mas Cristo ser honrado por meio dele. "É minha ardente expectativa e esperança que em nada serei envergonhado", mas que "Cristo será engrandecido no meu corpo".

O que você ama determina o que o envergonha. Se você ama as pessoas o engrandecerem, você sentirá vergonha quando não o fazem. Mas se você ama os homens engrandecerem Cristo, então você se envergonhará se ele é diminuído por sua culpa. E Paulo amava Cristo mais do que qualquer coisa ou qualquer pessoa. "O que para mim era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor" (Fp 3.7,8).

Sempre que algo é de valor tremendo para você, e você ama sua beleza ou força ou singularidade, você quer atrair a atenção de outros para isso e despertar neles a mesma alegria. É por isso que o alvo máximo da vida era Cristo ser engrandecido. Cristo tinha valor infinito para Paulo, e por isso Paulo ansiava que outros vissem e sentissem esse valor. É isso que significa magnifícar Cristo - mostrar a magnitude do seu valor.

[Via]

Nenhum comentário:

Postar um comentário