sexta-feira, 30 de abril de 2010

A Videira e os Ramos




Nas Mãos de um Deus Irado


Porque, se em lenho verde fazem isto,
que será no lenho seco? (Lucas 23.31).

Dentre outras interpretações desta sugestiva pergunta, a seguinte é repleta de ensinamento:"Se Cristo, o inocente substituto dos pecadores, sofreu, o que será quando o próprio pecador — o lenho seco — cair nas mãos do Deus irado?" Ao ver a Jesus no lugar dos pecadores, Deus não O poupou. Quando Deus encontrar os não-regenerados, também não os poupará.
O pecador, Jesus foi levado à cruz pelos inimigos dEle; da mesma forma, você será levado ao lugar que lhe está designado. Jesus foi abandonado por Deus. E, se Deus abandonou a Jesus, por vê-Lo como pecador apenas por causa da imputação, quanto mais abandonado será você! "Eloí, Eloí, lama sabactâni?" (Marcos 15.34) —

que grito terrível! Mas, qual será o seu clamor, quando você disser: "Ó Deus, ó Deus, por que me abandonaste"? A resposta virá: "Rejeitastes todo o meu conselho e não quisestes a minha repreensão; também eu me rirei na vossa desventura, e, em vindo o vosso terror, eu zombarei" (Provérbios 1.25-26). Se Deus não poupou o seu próprio Filho (ver Romanos 8.32), quanto menos Ele poupará a você! Quantas chicotadas de açoite ardente você não sofrerá quando sua consciência o golpear com todos os seus terrores?

Pecadores cheios de justiça própria, quem ficará no lugar de vocês quando Deus afirmar: "O espada, desperta, levanta-te contra o homem que Me rejeitou. Fere-o e deixa-o sentir dores para sempre"? Em Jesus cuspiram. Ó pecador, quão imensa será a sua vergonha! Não podemos resumir em poucas palavras todos os sofrimentos que sobrevieram ao Senhor Jesus, que morreu por nós. Portanto, é impossível descrevermos o oceano de pesares que sobrevirá ao seu espírito, se você morrer na situação em que se encontra agora. Certo é que você morrerá, então, pode ser agora.

Por meio das agonias do Senhor Jesus, por meio das suas feridas e do seu sangue, impeça que recaia sobre você a ira de Deus que está por vir! Creia no Filho de Deus, e você jamais perecerá.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Deus predeterminou inclusive o pecado?


Porque eu tenho tanto sofrimento?


Homem de Deus


quarta-feira, 28 de abril de 2010

O que é um entendimento "Reformado" do Evangelho?


O que te faz feliz?


terça-feira, 27 de abril de 2010

TRAGÉDIA por John Piper


DUAS VIDAS E DUAS MORTES QUE NÃO FORAM UMA TRAGÉDIA Em Abril de 2000, Ruby Eliason e Laura Edwards morreram em Camarões, na África. Ruby tinha por volta de oitenta anos, foi solteira por toda a sua vida, dedicou todo seu tempo a apenas uma grande coisa: fazer Cristo conhecido entre aqueles que não tinham sido alcançados, entre pobres e doentes. Laura era viúva, médica, também por volta de oitenta anos, e servia ao lado de Ruby em Camarões. Os freios falharam, o carro desceu um penhasco e ambas morreram instantaneamente. Perguntei à minha congregação: Isso foi uma tragédia? Duas vidas, dirigidas por uma grande paixão: devotar suas vidas à um serviço sem precedentes, por amor aos pobre que perecem e para a glória de Jesus Cristo – mesmo duas décadas depois de seus amigos e colegas americanos haviam se aposentado e dedicado o resto de suas vidas à coisas fúteis. UMA TRAGÉDIA AMERICANA: COMO NÃO GASTAR OS ÚLTIMOS DIAS DE SUA ÚNICA VIDA. Eu vou contar o que é uma tragédia. Vou mostrar como desperdiçar sua vida. Considerem a história que saiu na revista Reader’s Digest de fevereiro de 1998: “cinco anos atrás um casal se aposentou antecipadamente, ele tinha 59 anos e ela 51. Hoje eles moram numa cidade litorânea na Florida, onde passeiam em seu iate, jogam softbal e colecionam conchas.” À primeira impressão, pensei que fosse alguma piada sobre o Sonho Americano, mas não era. Tragicamente, esse era o sonho: chegar ao fim da vida – a única e preciosa vida que Deus deu – e fazer com que a grande obra dos seus dias, que será apresentada diante do Criador, seja essa: jogar softball e colecionar conchinhas. Imagine este casal diante de Cristo no dia do Grande Julgamento: “Olhe Senhor, minha coleção de conchinhas.” Isso é uma tragédia. E as pessoas tem gastado milhões de dólares persuadindo você a sonhar com essa tragédia. Contra isso, eu coloco meu protesto: Não compre essa idéia. Não desperdice sua vida. UMA TRAGÉDIA EM FORMAÇÃO Você pode não ter certeza se quer que sua vida faça diferença. Talvez você não se importe em fazer diferença por amor a algo grande. Você só quer que as pessoas gostem de você; se as pessoas estiverem a sua volta você estará satisfeito. Ou se você pudesse ter um bom emprego, uma boa esposa ou marido, algumas crianças, um carro legal, longos finas de semana com uma meia dúzia de amigos, uma boa aposentadoria, uma morte rápida e “fácil” e não ir pro inferno – se você pudesse ter tudo isso (mesmo sem Deus) – você estaria satisfeito. Isso é uma tragédia tomando forma, uma vida desperdiçada.

Resposta de John Piper ao Presidente Obama


sábado, 24 de abril de 2010

Spurgeon Contra a Pregação Mundana


C.H. Spurgeon - Hindhead



Extraído do Sword and Trowel de Julho de 1869

NUM DOS DIAS MAIS QUENTES de um Julho abafado, dois de nós, cansados e desgastados de uma longa e empoeirada caminhada pela estrada de Portsmouth, chegamos finalmente ao topo do Hindhead. Nenhuma árvore ou arbusto à vista, e o sol derramando sem remorso um dilúvio de fogo; não havia sinal de sombra, exceto por uma enorme cruz de pedra que guarnecia o cume do Hindhead. Aquela cruz foi elaboradamente adornada com inscrições em latim, e era precisa e clássica no formato; mas sua sombra era estreita demais para fornecer cobertura perfeita mesmo para um, menos ainda para dois. A sombra era mais refrescante, mas não havia o bastante, e um viajante poderia, queimado como estava, ficar em pé ou deitado sob os raios ardentes do sol, pois não havia lugar para ele na sombra fresca. Assim deve ser com o evangelho de Jesus, como demonstrado por alguns ministérios. Jesus é anunciado eloquentemente, mas a liberdade de Sua graça e o poder abundante de Seu sangue não são aplicados; ou pode ser que a Teologia Sistemática seja o ídolo do pregador, e Cristo é reduzido à crença; o rigor da doutrina é alimentado, mas o Cristo que é anunciado não possui nenhuma amplitude de amor, nenhuma amplidão de sombra para o repouso de pecadores cansados. Ao mesmo tempo, muitos removem o caráter sólido da expiação completamente e, enquanto objeta abrangência, nos dá ao invés de uma cruz de granito, uma mera neblina sem nenhuma sombra. A verdadeira ideia escritural da expiação é: “A sombra de uma grande rocha numa terra cansada.” O lema do Evangelho de Jesus é: “E ainda há lugar.”

Ah, a bendita sombra da cruz de Cristo! Todos os rebanhos do Senhor deitam-se sob ela, e descansam em paz; milhões de almas são por ela libertas do calor da vingança, e inúmeras mais nela encontrarão um abrigo da ira vindoura. Querido leitor, você está na sombra do Crucificado? Ele se põe entre Deus e sua alma para desviar de você os raios ardentes da justiça, que os seus pecados tão ricamente merecem, suportando-os Ele mesmo? Se você perecer pela necessidade de abrigo não será porque faltou lugar para você em Cristo, pois nenhum pecador jamais foi lançado fora por esta razão, e nenhum jamais será. Se você morrer no calor feroz da ira divina, você só poderá culpar a si mesmo, pois há a sombra da grande propiciação, fria e refrescante, e a todo momento ela é acessível por simples fé. Se você se recusa a crer, e se considera indigno da salvação, seu sangue jazerá em sua própria porta. Venha, agora, para o abrigo certo e bendito, a fim de que a insolação do desespero não o murche. Uma vez sob a sombra de Jesus, o sol não te afetará durante o dia, nem a lua durante a noite; tu habitarás sob a sombra do Todo-Poderoso. “O Senhor é quem te guarda; o Senhor é a tua sombra à tua direita” (Sl. 121:5). Deixe aquele que alegremente encontra o abrigo da cruz cantar e orar de todo o seu coração.

“Onde está a sombra daquela rocha
Que do sol defende seu rebanho!
De alegria eu me alimentaria entre suas ovelhas,
Entre elas descanso, entre elas durmo.”

De meu caderno. —C. H. S

Por: C. H. Spurgeon
Original:
Hindhead. Website: spurgeon.org
Tradução:
voltemosaoevangelho.com
Permissões:
Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que adicione as informações supracitadas, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

10 razões por que sou grato pela Bíblia


http://itodyaso.files.wordpress.com/2010/01/piper_hands.jpg

1. A Bíblia desperta a fé, a origem de toda a obediência.

Portanto, a fé vem pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo. (Romanos 10:17)

2. A Bíblia liberta-nos do pecado.

Saberás a verdade, e a verdade fará com que sejas livre. (João 8:32)

3. A Bíblia liberta-nos de Satanás.

E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim ser manso para com todos, apto a ensinar, paciente quando enganado, instruindo com mansidão os que resistem, se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade, e tornarem a despertar e desprendendo-se dos laços do diabo, em que a vontade dele, estão presos. (2 Timóteo 2:24-26)

4. A Bíblia santifica.

Santifica-os naverdade; a Tua palavra é a verdade. (João 17:17)

5. A Bíblia liberta-nos da corrupção e dá poder à divindade.

O Seu poder divino concedeu-nos tudo relacionado com a vida e a divindade, através da verdadeira sabedoria Dele que nos chamou pela sua própria glória e excelência. Pelas quais Ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção que há no mundo pelo desejo. (2 Pedro 1:3-4)

6. A Bíblia oferece amor.

E peço isto, que o vosso amor abunde mais e mais em ciência e todo o conhecimento. (Filipenses 1:9)

Ora o fim do mandamento é o amor de um coração puro e de uma boa consciência e de uma fé não fingida. (1 Timóteo 1:5)

7. A Bíblia salva.

Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina; persevera nestas coisas, porque fazendo isto te salvarás tanto a ti mesmo como aos que te ouvem. (1 Timóteo 4:16)

Portanto, no dia de hoje vos protesto que estou limpo do sangue de todos. Porque nunca deixei de vos anunciar todo o conselho de Deus. (Actos 20:26-27)

[Eles] perecerão, porque eles não recerberam o amor da verdadede maneira a serem salvos. (2 Tessalonicenses 2:10)

8. A Bíblia dá alegria.

Tenho-vos dito isto, para que o meu gozo permaneça em vós, e o vosso gozo seja completo. (João 15:11)

9. A Bíblia revela o Senhor.

E continuou o Senhor a aparecer em Silo, porquanto o Senhor se manifestava a Samuel em Silo pela palavra do Senhor. (1 Samuel 3:21)

10. Portanto, a Bíblia é a fundação para a minha casa e vida alegre e o ministério e esperança da eternidade com Deus.


Por John Piper. © Desiring God. Website: desiringGod.org
Original: 10 Reasons Why I Am Thankful for the God-Breathed Bible
Tradução: Olivia Monteiro. Websie: pt.gospeltranslations.org

O Julgamento verdadeiro


Confiar em Ti é a minha vida



C.H.Spurgeon
Banco da Fé
20 de abril

O justo viverá da fé.” (Rm 1: 17 ACF[*])


Não morrerei. Posso confiar no meu Deus e esta fé conservar-me-á a vida. Quero ser daqueles cuja vida pode ser contada entre os justos; mas mesmo que assim seja, não desejaria viver pela minha própria justiça; preferiria fundamentar-me na obra do Senhor Jesus e viver unicamente pela fé nEle. Ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado por meu Jesus, contudo desconfiaria do meu próprio valor e da minha felicidade; pelo contrário, continuaria vivendo por fé.

Se como mártir houvesse de morrer,
O nome de meu Salvador
Tão somente invocaria fiel,
Perdão pedindo por Seu amor.

Viver por fé é muito mais seguro e imensamente mais feliz do que viver pelos sentimentos ou pelas obras. O ramo ligado à videira tem uma vida mais abundante da que poderia ter se estivesse separado do tronco, no caso de que isto ser possível. Viver em comunhão com Cristo e retirar dEle a nossa fortaleza é o que há de mais agradável e sagrado. E se até os homens mais justos só assim podem viver, com quanta maior razão deverei eu viver assim, que sou um pobre pecador! Senhor, creio. Confio inteiramente em Ti. Que mais posso eu fazer? Confiar em Ti é a minha vida; assim o experimento e neste propósito me manterei até o fim da minha vida.
_______________________
Notas:
[*] ACF - Bíblia, edição João Ferreira de Almeida, Corrigida Fiel, versão e-Sword, SBU 69
TRADUTOR Carlos António da Rocha

segunda-feira, 19 de abril de 2010

É questão de honra para Jesus salvar suas ovelhas!



C.H.Spurgeon
Banco da Fé
19 de abril

Porque assim diz o Senhor DEUS: Eis que Eu, Eu mesmo, procurarei pelas minhas ovelhas, e as buscarei.” (Ez 34:11 ACF[*])

Isto é o que o Senhor faz quando os Seus eleitos são como ovelhas desencaminhadas que não conhecem nem ao pastor, nem ao rebanho. Quão maravilhosamente sabe o Senhor procurar os Seus escolhidos! Jesus mostra-Se um pastor tão admirável, não só quando procura as Suas ovelhas, mas também quando as salva. Mesmo que muitos dos que o Pai Lhe deu estivessem às portas do Inferno, não obstante, o Senhor no Seu afã de buscá-los, consegue dar com eles e recebe-os na Sua graça. Ele tem-nos buscado. Tenhamos a esperança segura de que também aqueles por quem oramos serão achados
.

O Senhor renova os Seus esforços quando alguma ovelha do Seu rebanho se afasta dos pastos da verdade e da santidade. Podem cair em erros graves, em lamentáveis pecados ou no endurecimento; mas contudo, Jesus, que foi constituído fiador por elas diante do Pai, jamais permitirá que qualquer uma delas se extravie e pereça. Ele segui-las-á com a Sua graça e providência através de regiões distantes, nos domicílios da miséria e nos abismos escuros do desespero. Jamais perderá uma só das ovelhas que o Pai Lhe confiou. É ponto de honra para Jesus procurar e salvar a todo o rebanho, sem excetuar qualquer ovelha. Quão magnífica é esta promessa, para que eu me sirva dela, se me vir obrigado a dizer: Eu andei errante como ovelha extraviada
_______________________
Notas:
[*] ACF - Bíblia, edição João Ferreira de Almeida, Corrigida Fiel, versão e-Sword, SBU 69
TRADUTOR Carlos António da Rocha

domingo, 18 de abril de 2010

Seu auxílio é como chuva da Primavera



C.H.Spurgeon
Banco da Fé
17 de abril

Assim serei contigo; não te deixarei nem te desampararei.” (Js 1:5 ACF[*] )

Estas palavras dirigidas ao Josué se repetem muitas vezes; são a base daquelas outras do Novo Testamento: Ele disse: Não te deixarei nem te desampararei.

Querido leitor, diante de nós apresenta-se uma vida de combates, mas o Senhor dos Exércitos está com vós. Somos chamados a conduzir um povo numeroso e inconstante? Esta promessa assegura-nos toda a sabedoria e prudência necessárias. Temos de lutar com inimigos astutos e poderosos? Aqui temos a força e o valor e a vitória. Temos de conquistar uma rica herança? Temos um sinal par o êxito dos nossos propósitos: O Senhor está conosco.

Seria uma verdadeira calamidade se Deus pudesse faltar à Sua palavra; mas como isto nunca poderá acontecer, o vento da inquietação baterá contra o muro da fidelidade divina. O Senhor nunca nos abandonará. Aconteça o que aconteça, Ele velará a nosso lado. Os amigos desamparam-nos e o seu auxílio é como chuva da Primavera; mas Deus é fiel. Jesus é o mesmo eternamente e o Espírito Santo habita em nós.

Vem, minha alma, acalma-te e tem confiança. Se as nuvens se amontoarem, o Senhor dissipá-las-á. Se Deus não pode ser infiel, tampouco a minha fé se debilitará; e como Ele não me desamparará, tampouco eu O desampararei. Seja sempre a nossa fé tranquila!
_______________________
Notas:
[*] ACF - Bíblia, edição João Ferreira de Almeida, Corrigida Fiel, versão e-Sword, SBU 69
TRADUTOR Carlos António da Rocha

sábado, 17 de abril de 2010

"Senhor, salve-me grátis"


Charles Spurgeon, editor da Revista Sword and Trowel (Espada e a Espatula)

É pela graça de Deus que homens ímpios são preservados da morte instantânea. O machado afiado da justiça cortaria a árvore estéril se a voz intercessora de Jesus não clamasse, 'Poupe-o ainda um pouco.' Muitos pecadores, quando se convertem a Deus, têm agradecido reconhecimento que foi pela misericordia do Senhor que eles não foram consumidos. John Bunyan teve três livramentos memoráveis antes de sua conversão, e as menciona no seu "Abundante Graça" como instâncias ilustres da misericoridia sofredora.
Ocasionalmente, tais pronunciamentos são feitos meios de afetar o coração com emoções ternas de amor a Deus, e tristeza por te-Lo ofendido. Não deveria ser assim? Não deveríamos dar conta que a paciência de Deus é salvação?(2 Pedro 3.15) Um oficial durante uma batalha foi atingido por uma bala que passou perto do bolso do seu colete, mas ele permaneceu ileso, porque um pedaço de prata parou o progresso do míssil mortal. A moeda foi marcada com as palavras DEI GRATIA (pela graça de Deus). Essa situação providencial impressionou sua mente de tal forma,que o levou a ler um panfleto evangélico que uma irmã piedosa havia lhe dado quando saia de casa. Deus abençoou a leitura do folheto, e ele se tornou, através da rica graça de Deus, e um crente no Senhor Jesus.
Leitor, você não está salvo? Você experimentou qualquer livramento notável? Então adore e admire a graça de Deus, e ore para que ela possa guia-lo ao arrependimento! Você esta indagando a forma de vida?Lembre-se das palavras DEI GRATIA, e nunca esqueça que pela graça nós somos salvos. Graça pressupõe indignidade na sua finalidade. A província da graça termina onde o mérito começa: que palavra alegre é esta para aqueles de vocês que não tem valor, nenhum merito, nenhuma bondade! Crimes são perdoados, e loucuras são curadas por nosso Redentor, por mera liberalidade e favor . A palavra graça tem o mesmo significado do nosso termo comum grátis: A oração de Wickliffe foi, "Senhor, salve-me grátis" Nenhum trabalho pode comprar ou adquirir salvação, mas o Pai celestial dá livremente, e sem censura.A graça vem para nós através da fé em Jesus.Quem quer que confie nEle não é condenado. Oh, pecador, que Deus te dê a graça de olhar para Jesus e viver. Olhe agora, porque hoje é tempo de aceitação!

Tradução: Roque Marcelo Santana dos Santos

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Glória de Cristo


Ver a glória de Cristo nos transformar


quarta-feira, 14 de abril de 2010

Variedade, o Estado da Graça


Spurgeon, na Sword and Trowel

Muitas pessoas estão mentalmente inquietas porque suas experiências de convicção ou de consolo não foram como a de outras pessoas. Eles pensam que não se converteram de verdade porque não sentiram exatamente as mesmas alegrias ou manifestações que tiveram certos santos de quem leram a respeito. Agora, deveriam essas boas pessoas se incomodarem tanto? Pensamos que não. Uniformidade não é a regra de Deus para a obra, seja em natureza ou em graça. Não existem dois rostos humanos exatamente com os mesmos contornos; Esaú e Jacó, filhos da mesma mãe, nasceram no mesmo parto e não poderiam ser tão diferentes. Nem mesmo nas florestas duas folhas podem ser encontradas semelhantes em todos os aspectos. Diversidade é a regra da natureza, e deixe-nos descansar sob a certeza de que a variedade é a regra da graça.

o Sr. Beecher nos deu essa verdade de uma forma muito bonita nas seguintes linhas: "E se Deus comandasse as flores a aparecerem diante dele, e o girassol aparecesse envergonhado por não ser uma violeta e a violeta chegasse se esticando para ser como um girassol, e o lírio quisesse se esforçar para desabrochar como a rosa, e a rosa procurasse formas de ganhar a brancura do lírio, e assim, desprezando o que é, cada um viveria procurando crescer em semelhança aos outros? Deus diria: 'Parem, flores tolas! Dei-lhes suas próprias formas e cores, e cheiros, e desejo que vocês tragam o que receberam. Ah girassol, venha como um girassol; e você doce violeta, venha como uma violeta; deixe a rosa trazer seu desabrochar e o lírio sua brancura'. Percebendo sua tolice, e parando de perde o tempo de que não dispõem, violeta e rosa, lírio e gerânio, anêmona e mignnotte e todo o contingente de flores chegariam cada uma em seu encanto próprio, para lançar seu perfume como incenso, e todas em roda formariam uma guirlanda de beleza sobre o trono de Deus".

Leitores, os santos são um em Cristo Jesus, mas eles não são um em suas peculiaridades. Serjamos quem podemos ser. Se descansamos em nosso Redentor, nossa vida eterna é certa, e se não descansamos nEle, estamos mortos enquanto vivemos. O que é Jesus Cristo para mim? Essa é a questão principal. Se ele é meu tudo, então tudo está bem; se não, eu posso ser muito parecido com um santo, mas um santo eu não sou.


____________________________________
No. 17.—Sword and Trowel Tracts, by C. H. SPURGEON.—6d. per 100, Post free, 8 stamps.
Passmore & Alabaster, 23, Paternoster Row.

Tradução: Gabriela Brandalise

Dentro de pouco tempo seremos como Jesus é !


C.H.Spurgeon
Banco da Fé
13 de abril



Que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o Seu corpo glorioso, segundo o Seu eficaz poder de sujeitar também a Si todas as coisas.” (Fl 3:21 )

Muitas vezes, quando nos vemos atormentados pela dor e incapazes de pensar ou orar, sentimos até que ponto o nosso corpo é «o corpo da nossa humilhação». E quando somos tentados pelas paixões da carne, não achamos exagerada a palavra humilhação. O nosso corpo humilha-nos, e talvez seja o melhor serviço que nos faz. Oxalá fôssemos suficientemente humildes, já que os nossos corpos nos aproximam mais dos animais e do pó da Terra!

Porém o nosso Salvador, o Senhor Jesus, modificará este estado de coisas. Os nossos corpos serão transformados à semelhança do Seu corpo de glória. Isto realizar-se-á em todos aqueles que crêem em Jesus. As suas almas foram transformadas pela fé, e os seus corpos experimentarão uma tal renovação que ficarão adaptados a receber os seus espíritos regenerados. Quando acontecerá esta transformação, não é possível assegurá-lo; porém, apenas só esta esperança nos pode alentar para suportarmos as provas de hoje e os males da nossa carne. Dentro de pouco tempo seremos como Jesus é agora. Já não haverá mais cabeças doloridas, nem membros inchados, nem olhos entristecidos, nem corações deprimidos. O ancião deixará de ser um montão de misérias, e o enfermo um corpo de agonia. «Semelhante ao corpo da Sua glória». Até a nossa carne descansará na esperança da ressurreição.
_______________________
Notas:
[*] ACF - Bíblia, edição João Ferreira de Almeida, Corrigida Fiel, versão e-Sword, SBU 69
TRADUTOR Carlos António da Rocha

Chamada à contemplação


terça-feira, 13 de abril de 2010

Dívida Paga Deixa de Ser Dívida



C.H.Spurgeon
Banco da Fé
12 de abril
Porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais Me lembrarei dos seus pecados.” (Jr 31:34 ACF)

Logo que conhecemos o Senhor, obtemos o perdão dos pecados. Encontramos nEle o Deus da graça que apaga todas as nossas transgressões. Que alegre é este conhecimento!

E como que, divinamente expressa, está esta promessa: O Senhor promete que jamais Se lembrará do nossos pecados! Pode Deus esquecer-Se? Ele assim há dito, e Ele pensa bem no que diz. Considera-nos como se nunca tivéssemos pecado. A Grande Expiação apagou tão eficazmente todo o pecado, que este já não existe na memória de Deus. O crente foi tão aceito por Deus, como o foi Adão na sua inocência ou, mais ainda, porque ele está vestido da justiça divina, e a de Adão era somente humana.

O nosso grande Deus não Se lembrará dos nossos pecados para castigá-los, ou para nos amar um pedacinho menos daquilo que nos ama. Assim como a dívida paga deixa de ser dívida, da mesma maneira, o Senhor cancela por completo a iniquidade de seu povo.

Quando chorarmos os nossos pecados e as nossas omissões, como é nosso dever enquanto vivermos, alegremo-nos porque daqui em adiante elas jamais nos serão lançadas em rosto. Isto faz-nos odiar o pecado. O perdão gratuito de Deus torna-nos mais atentos para que nunca mais O entristeçamos com as nossas desobediências
_______________________
Notas:
[*] ACF - Bíblia, edição João Ferreira de Almeida, Corrigida Fiel, versão e-Sword, SBU 69
TRADUTOR Carlos António da Rocha
Adptado por Armando Marcos

Por que a doutrina da eleição é preciosa pra mim


http://1.bp.blogspot.com/_3PosqQ733sI/SBKa0wtxyXI/AAAAAAAAAwg/ev69FpUb_AY/s400/vasooleiro.jpg

Para alguns, a doutrina da eleição (a decisão livre e soberana de Deus de escolher um povo para a salvação desde a fundação do mundo – Efésios 1.3-6) é um pensamento abominável, que produz grande medo e preocupação. Entretanto, eu sugiro que um claro entendimento desta doutrina produziria, ao contrário, esperança e segurança. Deixe-me compartilhar algumas das razões pelas quais a doutrina da eleição é tão preciosa pra mim.

A doutrina da eleição é preciosa para mim porque é bíblica. Em uma demonstração de amor do Pai pelo Filho, Ele dá um povo específico ao Filho (João 6.37). Esta verdade é evidente no testemunho do livro de Apocalipse, quando se declara que os únicos a entrar no paraíso eterno são aqueles cujos nomes estão escritos no livro da vida do Cordeiro (Apocalipse 21.27). João mais tarde testifica em Apocalipse 13.8 que aqueles nomes estavam escritos neste livro antes da fundação do mundo. Em outras palavras, um fruto do amor do Pai por Jesus é nossa salvação. O Pai fez uma decisão livre e soberana de salvar um povo como dádiva para o Filho e para Sua própria glória, desde a fundação do mundo (veja também João 8.47; João 10.26-29; Romanos 9.10-16).

A doutrina da eleição é preciosa para mim porque assegura minha salvação. Jesus declarou que todo aquele que o Pai o deu viria a Ele, e que Ele jamais lançaria fora alguém que veio a Ele (João 6.37). Jesus se deleita em receber e guardar aqueles que o Pai o deu porque Ele veio para fazer a vontade do Pai (João 6.38-40), e a vontade do Pai é que Jesus não perca nenhum daqueles que o Pai o deu, mas que Ele os ressuscite todos no último dia (João 6.39).

A doutrina da eleição é preciosa para mim porque me encoraja a perseguir a santidade. Paulo lembrou os tessalonicenses que “Deus os escolheu como os primeiros frutos para serem salvos, mediante a santificação do Espírito e a fé na verdade.” (2 Tessalonicenses 2.13, ESV). A Bíblia nos assegura que, embora agora estejamos apenas sendo gradualmente conformados à imagem de Cristo (2 Coríntios 3.18), na glorificação seremos completamente conformados à imagem dele (Romanos 8.29).

A doutrina da eleição é preciosa para mim porque é a base da segurança da minha salvação. Porque Deus dá um povo ao Filho, e porque o Filho recebe este povo e os guarda, eu estou seguro de que nunca serei lançado fora (João 6.37), nem perecerei, nem serei arrancado da mão de Jesus (João 10.28). Você pode imaginar uma segurança assim? O Deus que predestina para a salvação (eleição) assegurará que todos aqueles a quem Ele chama à salvação, no final, serão glorificados (Romanos 8.30).

A doutrina da eleição é preciosa para mim porque me encoraja a compartilhar o Evangelho e me dá esperança de fruto no evangelismo e em missões. Não somente o Pai deu um povo ao Filho (João 6.37), e não somente o Filho recebe esse povo e os guarda (João 6.37-39), mas o Pai também assegura que aqueles que Ele dá ao Filho virão ao Filho. É a vontade do Pai que todo aquele que crer no Filho tenha a vida eterna (João 6.40), e aqueles que creem podem vir somente se o Pai os atrair (João 6.44,65). Portanto, se o Pai dá pessoas ao Filho, e Ele assegura que essas pessoas venham ao Filho, então nós podemos estar seguros de que o evangelismo e as missões darão fruto (Atos 13.48), e podemos encontrar encorajamento nas palavras de nosso Senhor a Paulo: “Não tenha medo, continue falando e não fique calado, pois estou com você, e ninguém vai lhe fazer mal ou feri-lo, porque tenho muitos nesta cidade que são meu povo” (Atos 18.9-10, ESV).

Finalmente, a doutrina da eleição é preciosa para mim porque me motiva a valorizar muito a Deus (verdadeira adoração) e pouco a eu mesmo (humildade). Que possamos entender a eleição, que ela possa nos livrar do orgulho pessoal e mover-nos a adorar o Senhor Soberano em toda Sua glória e graça.

* Juan Sanchez é Pastor Sênior da Pointe Baptist Church em Austin, Texas, e membro do concílio da Gospel Coalition.

Traduzido por Josaías Jr | iPródigo